Pular para o conteúdo principal

Cor de Rosa (6)



Entre uma cidade e outra, está a rodoviária

Sou natural de Porto Alegre, a capital dos gaúchos. Lá, deixei amigos e família para vencer novos desafios aqui em Videira. Já fazem mais de 25 meses que, para minimizar a saudade e complementar estudos, que fico entre uma cidade e outra. O único ‘porém’ é que nesse entremeio está a Estação Rodoviária Waldemar Kleinubing.

Chamo a atenção do Executivo Municipal sobre as condições físicas em que o usuário, os trabalhadores, transportadores e permissionários estão suportando. O espaço é mal conservado, desconfortável, esteticamente desagradável, com ambientes mal divididos e sujo. Além das pessoas que atuam no ambiente diariamente, também há a circulação de pessoas que usufruem dos serviços para se deslocarem de uma cidade a outra.

Os banheiros, entrei somente uma vez, quando cheguei a Videira há dois anos e desde então não tive mais coragem de entrar lá, se não para dar uma espiada de longe, a fim de conferir se a situação melhorou. Não é que continua igual? Os bancos de plásticos, localizados no saguão de espera para o embarque e desembarque de pessoas, além de serem desconfortáveis, não são indicados para o bem-estar físico do homem. Os guichês de atendimento das empresas dificultam a comunicação entre as pessoas e até a venda de bilhetes. Basta ampliar o campo de visão para perceber que o local de trabalho é inóspito.

Se nós, os habitantes do município, não merecemos uma estação rodoviária apropriada, porque tanto esforço para atrair turistas? Eles também andam de ônibus. Utilizam o transporte intermunicipal para conhecer as cidades da região. Fico imaginando a impressão que tem quando chegam ou saem de Videira. Aliás, um guichê de informações sobre serviços e pontos turísticos seria sonho da minha parte...

Conversa daqui e pesquisa dali, fui informada que há dois anos a Prefeitura de Videira conseguiu assegurar recursos estaduais para a reforma e pintura do Terminal Rodoviário Waldemar Kleinubing, inaugurado em março de 1982. Salas e boxes para as operadoras de viagens, loja, cozinha e lanchonete deviam ter sido remodelados. Os sanitários também seriam reformados, incluindo espaço para deficientes físicos e a pintura interna e externa. O valor do investimento estava cotado em cerca de R$ 100 mil.

Talvez, na próxima viagem que faça a algum município da região ou para fora do Estado catarinense eu deva prestar mais atenção ao local. Afinal, eu uso óculos, posso ter deixado passar essas melhorias devido a deficiência visual.

Cotidiano e Pessoas

Câmara de Vereadores I
Esta semana pus em prática meu papel de cidadã e fui conferir a última sessão do mês do Poder Legislativo. Poucas cadeiras do auditório estavam ocupadas entre as dezenas disponíveis. É uma pena que não haja mais participação da sociedade, que poderia utilizar a tribuna para buscar seus direitos.

Câmara de Vereadores II
Por outro lado é desapontador assistir a uma reunião onde os legisladores fazem o uso da palavra para recriminar o colega. Pior são atitudes e expressões que designam deboche e desprezo de uns para fala de outros. Isso, para mim, não é comportamento que vereador deva ter, principalmente no ambiente de trabalho, além de ser um desrespeito ao próximo.

Municipalização do Trânsito
Está na hora de profissionalizar o setor para que seja efetivada ações como fiscalização, sinalização, programas educativos e estudos técnicos. Uma agência, empresa ou uma secretaria municipal deveria ser criada para ser responsável pelo trânsito e transporte em Videira. Para mim só resta esta opção.

Sétima Arte
Na última semana, o Grupo Cine colocou dois filmes nacionais com ingressos promocionais. Eu fui assistir aos dois, mas, como sempre, as sessões estavam vazias, inclusive a de Domingo. Uma pena que a sétima arte não seja prestigiada no município, mesmo com ingressos a R$ 3,00.

Piuí Piuí
É bem possível que este ano seja efetivado o passeio turístico pelos trilhos da região, que vai ligar três cidades e resgatar a cultura e história local. A máquina do tipo "maria-fumaça" será utilizada no transporte de turistas na ferrovia do Vale da Uva e do Vinho, que passará por Videira, Pinheiro Preto e Tangará. Vamos aguardar!

Comentários

Tigerman disse…
muito boa a tua coluna
vem conhecer a rodoviária aqui de santa maria, vem. é bem melhor!

te convido tb a visitar a minha coluna:
http://www.clicrbs.com.br/jornais/dsm/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&edition=9590&template=&start=1§ion=Colunas+e+Charges&source=a1816499.xml&channel=10&id=&titanterior=&content=&menu=&themeid=§ionid=&suppid=&fromdate=&todate=&modovisual=
Anônimo disse…
See Please Here

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe