Pular para o conteúdo principal

Caleidoscópio

by Herbert Vianna

Não é preciso apagar a luz
Eu fecho os olhos e tudo vem
Num caleidoscópio sem lógica

Eu quase posso ouvir a tua voz
Eu sinto a tua mão a me guiar
Pela noite a caminho de casa

Quem vai pagar as contas deste amor pagão
Te dar a mão, me trazer à tona prá respirar
Quem vai chamar meu nome
Ou te escutar

Me pedindo prá apagar a luz
Amanheceu, é hora de dormir
Nesso nosso relógio sem órbita

Se tudo tem que terminar assim
Que pelo menos seja até o fim
Prá gente não ter nunca mais que terminar

* * *
Uma das minhas paixões na música, no rock brasileiro são Os Paralamas do Sucesso. Adoro eles!São uma das melhores bandas na cena do BRock, o rock nacional. São um símbolo perfeito de consistência: ainda tem aquela mesma formação do verão de 84.

Herbert Vianna (voz e guitarra), Bi Ribero (baixo), e João Barone (bateria) nunca foram de grandes pretensões. Eles tinham sua bandinha enquanto estudavam na faculdade, e achavam que ter uma fitinha tocando na Fluminense-FM e um show no Circo Voador era simplesmente o máximo. Foi assim que tudo começou, com "Cinema Mudo". O disco vendeu 80 mil cópias, um número respeitável para a época. Seguiram com "O Passo de Lui", um disco repleto de hits como Óculos, Meu Erro e Me Liga entre outras. Foi também nesta época que Os Paralamas estouraram. O empresário da banda, José Fortes, batalhou firme e conseguiu que a banda fizesse dois show no Rock In Rio, um festival enorme realizado em Jacarepaguá.

O único álbum que tinha dos caras era o Bora-Bora, em vinil. Em janeiro desse ano entrei nas Americanas e tava lá, Os Grãos, de 1992, me esperando bonitaço e baratérrimo (R$ 9,90). "Bora-Bora", o quinto, foi um disco curioso, com um lado A super-alegre e um lado B que era pura dor-de-cotovelo (Herbert acabara de se separar de Paula Toller). Também foi neste disco que os Paralamas incorporaram pela trio de metais permanente, embora já tivessem feito uso de saxes, trompetes e trombones em outros discos.

Teve uma época que o trio fez um break na carreira e Herbert aproveitou para se casar com a inglesa Lucy Needham, lá na Inglaterra. O pessoal descansava, e parecia até que a banda tinha virado segundo plano. Mas não. Esse tempo todo foi passado no estúdio, refinando "Os Grãos", o oitavo disco dos Paralamas. "Os Grãos" foi lançado em 1992, com altas expectativas de Herbert, Bi, Barone & Cia. No entanto, o público não correspondeu. "Os Grãos" era um disco sério, e apesar de ser muito bonito, não despertava aquela alegria nas massas como os outros trabalhos. Mas eu gostei!

Essa música que postei aqui, "Caleidoscópio", faz parte de uma ótima coletânea, "Arquivo", com 14 dos maiores sucessos do grupo, e mais uma "versão 80" para Vital e Sua Moto. Esse disco também incluía a inédita Caleidoscópio, uma composição de Herbert previamente gravada por Dulce Quental. Linda!

Bom, mas tudo isso foi só para dizer que assisti ao final de um programinha (tri massa!) com os caras e convidados, cheio de boa informação e 'canjas', no Canal Brasil. Ponto!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe