Pular para o conteúdo principal

Tentei me omitir, mas não tem como. Esta semana eu assisti ao GNT.DOC na Sky. O assunto era a postura adotada pelo candidato Barack Obama durante o processo eleitoral nos EUA. "A América está preparada para um presidente negro?" Esse era o título do programa. De acordo, diria.

"Conheça a surpresa Barack Obama, o senador moderno que vem conquistando o voto branco nos EUA e disputa com Hillary Clinton a indicação democrata. O partido oficializa em agosto o seu candidato para a eleição presidencial em novembro de 2008. Será que o racismo ainda vai pesar na decisão?" E esse é o texto de chamada.

Eu, os especialistas que foram entrevistados durante o programa, dizemos que sim. Há muita especulação sobre o comportamento 'imparcial' dele. Justamente em uma nação onde as desigualdades étnicas são muito demarcadas. Negros e brancos norte-americanos sabem disso, mesmo assim, Obama vem conquistando votos desses eleitores, pelo mesmo motivo: sua luta pelo fim da desigualdade sócio-econômica, independente de raça, cor e credo.

Às vezes eu penso quem seria mais ingênuo: o eleitor ou o candidato? Esse discurso do Obama é utópico e parece um déjavù, mas funciona. Talvez seja verdadeiro. Ou não. O que tenho certeza é de que pode funcionar. Ele pode ganhar.

Mas, eu sei, os especialistas sabem e Obama também, que não é bem assim que funciona a opinião pública, que funciona o pré-conceito racial; principalmente num país onde tudo é muito arraigado (muito mais que no Rio Grande do Sul, onde o povo é - quase - todo faca na bota).

Enfim, poderia ficar falando sobre os depoimentos expressados no GNT.DOC, mas a questão racial é algo infindável (infelizmente), porém, que está sendo brandamente trabalhada pelo comitê eleitoral de Barack Obama - 'meu presidente'!

Comentários

betty AMADA boop disse…
ahã assistindo tv hein...
não achou a foto? é que eu fui em uns post antigos, coisa de frutiqueira.
e eu não sou convencida é o pp que faz com que eu me sinta assim
he he he
bj
Sei... He he he. Sempre é o PP! Porém, bom que tu seja a Betty Amada Boop e todas as outras possíveis. Bjo
Anônimo disse…
Parabéns, gostei de suas palavras.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe