Pular para o conteúdo principal

Página 30 (4)

Cor de Rosa e Carvão
http://www.jornalcorreiohoje.com.br
http://www.correioja.blogspot.com

Decadente...

Quem bem me conhece sabe que não sou fã de futebol. Mas, o inusitado Futebol 88, e o convite de amigos, claro, me fez ir até o Estádio Municipal Luiz Leoni prestigiar o evento, no último Domingo, 9. Para minha surpresa, o campeonato foi bem divertido, embora um pouco confuso para mim. Afinal, eram 88 jogadores em campo, mais quatro juízes com seus apitos de sons diferentes e mais quatro bolas de cores diferentes. Tudo junto e misturado, simultaneamente.

O que não me agradou foi perceber o estado de abandono do estádio. Decadente a visão! Espaços mal aproveitados, paredes sem pintura e a praça de alimentação parecia insalubre. Os banheiros... Bom, melhor nem comentar. Será que é assim em todos os estádios de pequeno porte? Se for, me perdoem o equívoco. É regra, e regras não se discutem depois de prontas.

No entanto, se não for este o caso, dá para mudar. Não falo aqui em ampliação dos ambientes, até porque nem há espaço no entorno para isso. Porém, serviços de manutenção seriam bem-vindos. O local ficaria mais bonito, confortável, higiênico e, acima de tudo, seguro.

Agora entendo porque no final do campeonato, em 2006, em decorrência de uma briga entre os jogadores do VEC com a equipe visitante, o estádio foi interditado. Não há sistemas de segurança no local que garanta a integridade física das pessoas. Nossa sorte é que as pessoas que freqüentam o local são pacíficas e atenciosas; e que não merecem um estádio nessas condições.

Porém, o Estádio Luiz Leoni não é o único com infra-estrutura crítica no país. Os estádios brasileiros de futebol não cumprem as exigências de segurança e infra-estrutura da Federação Internacional de Futebol (Fifa). Pesquisas apresentadas em 2007 apontaram que essas edificações atendem, em média, a apenas 50% das normas da legislação internacional que regulamenta estádios de futebol.

Pelas normas, são avaliados pontos como capacidade de lotação, conforto, segurança e localização do estádio. Os problemas começam com a falta de uma legislação específica para determinar as normas técnicas dos estádios no Brasil. Segundo os especialistas que analisaram a pesquisa, esse tipo de edificação é muito específica e demanda uma especialidade de engenharia e arquitetura, além de gestão da segurança do espetáculo.

Também não sei se essas normas se aplicariam a um estádio municipal. Com tudo isso, concluo que o ideal para nós é o desenvolvimento de políticas públicas voltadas para o esporte, onde esteja incluso no processo tudo que comentei acima, incluindo uma reforma no Estádio Luiz Leoni. Programas que valorizem os esportes em Videira, a fim de que possamos ofertar mais profissionais qualificados para o treinamento dos atletas, para que possamos formar grandes atletas; que possa ser desenvolvido projetos sociais em prol dos jovens sob risco de rua. Um local apropriado para o treinamento, para os campeonatos e o público, como este que aconteceu no último Domingo, 9.

Cotidiano e Pessoas

Futebol 88

Quem não foi, perdeu! O inusitado futebol de campo teve sua segunda edição no último Domingo, 9. Agora não adianta chorar, só resta esperar o próximo campeonato.

Espaço Público

O verão está indo embora, assim como a oportunidade de ocupar melhor os espaços públicos do município, como as quadras poliesportivas da Avenida Beira-Rio. Ali poderiam ter sido desenvolvidas atividades sócio-educativas, além das esportivas, para a comunidade jovem e da ‘melhor’ idade, que tanto clamam por atividades do tipo.

Lei do Livro

A Lei do Livro, 10.753 de Outubro de 2003, entre outras ‘cositas mas’, diz que cabe ao Poder Executivo implementar programas anuais para manutenção e atualização do acervo de bibliotecas públicas. Então, porque a Biblioteca Pública Municipal está com o acervo defasado?

Filas

Essa semana dois cidadãos que saiam da Caixa Econômica Federal comentaram comigo que aguardaram cerca de duas horas, sentadinhos, para serem atendidos. Então vai a dica: está na hora dos incomodados irem até o Procon e denunciar o desrespeito, para que o órgão tome uma providência. Coragem povo!

Tudo de bom!

É hoje o dia em que a Estela Maris, assessora de imprensa da Prefeitura Municipal de Videira, completa mais um ano de vida. Ela, que é a mentora do G6, defensora e protetora dos animais e amiga para todas as horas, merece muito mais que parabéns. Merece tudo de bom!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.