Pular para o conteúdo principal

@*¨#!&%$*?>{:"


Final de semana estranho. A incógnita estava no meu interior. Na verdade, não é nenhum mistério. Sei bem o que me vai na alma. Mas já estava desacostumada a sentir isso.

Aqui em Videira o tempo estava a contento. Tinha sol, as pessoas estavam sendo gentis, meus compromissos se estenderam pelo Sábado e pelo Domingo. Havia uma conspiração a meu favor, porém, minha mente, que é uma viagem, decidiu fincar raízes na lucidez e me trazer para a realidade. Resultado: reflexões, constatações, tristeza, lembranças, saudades, esperança, expectativas, ilusões e constatações reais. Mau humor!

Ainda bem que tenho amigos, que mesmo precisando de um ombro, me salvam de mim mesma. Com isso, o Domingo foi resguardado de meus sentimentos opacos. Thank you bird!

* * *
Para me trazer a alegria de volta, daqui a uma semana estarei no aconchego do lar, perto dos amigos e cheia de atividades culturais e sociais. Então, lembro, de repente, que não dá para reclamar, porque a 'vida é bela' e boa, muito boa.

Sendo mais objetiva: vou ter uma semana em Porto Alegre. Se for bem oportunista, poderei ter uma semana no Rio de Janeiro... Quem sabe? Para quem já está com um pé na lama, o que seriam dois, 'hein'?

* * *
O Tigerman vem me deixando muito feliz. Primeiro veio o contato, depois de quase cinco anos de silêncio. Agora a indicação de leitura do Cor de Rosa e Carvão no blog dele. Isso só fez melhor o meu humor neste final de domingo.

Na semana passada, tive outra agradável surpresa: a ligação da minha amiga Jaque Frison. Outra que não tinha contato há um ano. Talvez mais. Porém, que tomou a iniciativa e me telefonou. De cara saiu me cobrando uma visita, quando estiver em Porto Alegre. Então tá! Marcadíssimo ma cheri.

* * *
Para reforçar: Sorte de quem tem amigos, como eu!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.