Pular para o conteúdo principal

Sim, sou prenda tchê!


Pasmem! Mas eu já fiz parte de invernada. Era uma prenda atípica, não ia a bailes. Não gostava dos estilos, mas gosto da cultura, das tradições e da história do meu Rio Grande do Sul.

Foi assim que entrei para o grupo de danças artísticas do Departamento de Tradições Gaúchas do Colégio Estadual Júlio de Castilhos. Berço dos grandes CTGs no Estado. Foi lá que originou o Movimento Tradicionalista Gaúcho organizado.

Eu dançava lá, no último ano da década de 80, de saia, blusa e lenço na cintura, bem bonita. Adorava o balanço da saia nos paços da chimarrita, os olhos nos olhos, e as reverências. Dança artística gaúcha tem seu charme, assim como a música tradicional gaúcha. E nisso tem de tudo. Tem o saudoso César Passarinho, a quem me fez apreciar a música nativista. Tem Wilson Paim também, que merece todo o respeito dos gaúchos.

Ouvir a FM Cultura, emissora de rádio da Fundação Piratini, me trouxe doces lembranças de tempos que marcaram minha juventude com amigos que hoje já não vejo mais, que não tenho mais contato, que nem sequer ouço comentários. Mas que foram importantes no meu dia-a-dia de adolescente. Êta mundão de saudades que não tem fim...

Gaudêncio Sete Luas
by Luis Coronel e Marco A. Vasconcellos


A lua é um tiro ao alvo
E as estrelas bala e bala
Vem minuano e eu me salvo
No aconchego do meu pala

Se troveja a gritaria
Já relampeja minha adaga
Quem não mostra valentia
Já na peleia se apaga

Marquei a paleta da noite
Com o sol que é ferro em brasa
O dia veio mugindo
Pra se banhar na água rasa

Pra me aquecer mate quente
Pra me esfriar geada fria
Não vai ficar pra semente
Quem nasceu pra ventania

Comentários

Anônimo disse…
já matei muita aula quando eu estudava no julinho para ir ao DTG tomar chimarrão.
putz, como que eu não lembro de vc por lá.
a cada dia que passa fico mais surpreendida de como nós temos algo em comum, e pensar que no 1° grau isso não acontecia... eu acho
betty boop jana
é verdade... n não viámos e não tinhamos nada em comum, além do fato de sermos colegas no mesmo coléginho. que bom, assim agora temos o PP, he he he.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe