Pular para o conteúdo principal

Km rodado


Nunca tive férias mais saborosas dos que esses 15 dias no final do ano. Foram momentos deliciosos e inesquecíveis, que passei com minha família e amigos, que ficaram na memória durante meses para mim. E quando estiver sentindo saudades, pegarei as fotos que fiz, que mostram os detalhes das emoções que vivi. Mesmo que só eu saiba o valor de cada momento, mesmo que pareçam imagens singelas, álbum de família, para muitas outras pessoas.
Tenho todas as 36 fotos dessa vez. E sim. Ainda tenho máquina analógica, he he he. Este ano comprarei minha digital. Assim meus sobrinhos poderão fazer auto-retratos a vontade (como se já não tivessem feito com minha analógica). Das 36, seis são dos negrões de quase dois metros de altura e menores de idade. Lamentei não ter digital ainda. Quando na sexta-feira (21) em Porto Alegre, quase comprei uma tabajara de R$ 199,00 no Carrefour. Mas pensei num investimento melhor no futuro, onde pudesse utilizar o equipamento para o trabalho também. Infelizmente esta decisão fez com que perdesse fotos com meus amigos Alexandre, onde passei um dia maravilhoso (já disse isso), e que me surpreendeu com um livro do Ítalo Calvino, que será minha leitura de viagem hoje. Também não registrei meu happy hour com a Erenice, que muito carinhosamente me deu brincos lindos de Natal, meu reencontro com a Mara, minha amiga do peito que companheira de baladas (já aprontamos muitas nos 15 anos de amizade), minha saída com a Karen, com meus amigos do primário, BB e PP, e com minha amiga Magda. Enfim, momentos que guardo na memória, mas que mereciam ter sido registrados.
Nunca paguei feliz, os quase R$ 23,00, pelas fotos de férias. Cada sensação de cansaço em ter rodado quilômetros para ir e voltar para casa foram recompesados com momentos maravilhosos. Mesmo adorando viajar, andar de ônibus é estafante demais, até mesmo porque estou sempre em cima do laço para que possa aproveitar cada momento de folga. E aproveitar férias é isso: se cansar todos os dias, fisicamente, em encontros, almoços, compras, na praia (ah, a última imagem registrou eu e minha amiga Vivi na praia). Duro foi voltar para a realidade essa semana e já cair no trabalho. A segunda-feira foi insuficiente para organizar a vida pós-férias e ainda agendar compromissos. Foi tudo muito corrido. Tanto, que quando dei por mim já era quinta-feira, dia de redigir e começar a mandar as matérias para o jornal. Quando pisquei os olhos já era sexta-feira, dia de fechamento e quando abri os olhos hoje pela manhã já era sábado, dia de viajar de novo, desta vez, em busca de mais uma oportunidade.
Sim, vou rodar mais alguns bons quilômetros. Desta vez para participar de um concurso público. E não me dei conta de quanto é longe a cidade de Videira, além da baldeação que terei que realizar. Nem deu tempo de descansar das férias (se fosse para descansar ficava na cidade, fazendo nada) e já tenho que encarar mais oito horas de viagem e quatro de esperas entre rodoviárias. Mas é por uma boa causa. Já estava previsto, faz parte dos meus planos para 2008, e espero que o resultado seja positivo. Com isso, mal curti o meu baby e já vou ter que abandoná-lo novamente. Mas, desta vez vou deixá-lo em casa. Dois dias fechado dentro do apartamento não vai matá-lo. Afinal, 15 dias na Pet Shop não o fez... Mas não sou desumana não. Minha vizinha vai vir aqui amanhã e mimá-lo com comida e água fresca, higienizar sua "privada" e ainda fazer uma afago para minimizar a solidão. Depois, na segunda estou de volta, "linda, leve e solta". E cansada, é claro!
No final de dezembro estava num ritmo estafante. Era mente e corpo esgotados. Agora estou só com o corpo cansado. A mente ficou apaziguada com as férias. Ontem fui fazer um happy hour com o Fê (gosto do guri, ele tem umas tiradas ótimas. ainda bem que estamos retomando os encontrinhos de final de tarde e semana). Ficamos bebendo e conversando. O Ceron passou por nós e já descansou o lombo magro dele e refrescou a garganta também. Adoro isso. Se todos tivessem noção da importância de sentar em qualquer lugar, não necessariamente para beber, e conversar despreocupadamente, o dia-a-dia de muita gente mau humorada seria diferente. Faz bem para a alma descontrair, falar bobagens, trocar idéias, adquirir novos conhecimentos. Ontem o Ceron deu uma palhinha sobre o direito. Falou de uns case que estudou no ano passado, enquanto cursava o primeiro ano. Foi bem interessante.
No final do encontro, quando cheguei em casa, tava com fome e com sono. Foi o tempo de chamar uma entrega de pastéis, do Big Pastel é claro, comer em frente a tevê, deixar o pratinho de lado e, nem perceber, dormir... Cai num sono tão profundo que só acordei hoje pela manhã, às 7h. E não era nem meia-noite quando comecei a assistir a um desenho pela Sky. Ces't la vie!
* * *
Quinta-feira rolou encontrinho do G6, mas desta vez o motivo era especial: desejar boa viagem para o Emídio e a Estela. Eles vão passar uma semana se diliciando no mar da Bahia. É isso aí Richard Gere e Susan Sarandon. Muita água de coco, caipira, ceva gelada, sol, sombra e água fresca. Foi ótimo na quinta. Espero vocês na volta, para cantar no karaokê novo de vocês, he he he.
* * *
À noite de quinta-feira teve uma baixa. A Silvitcha não estava presente. Sua avó não estava bem de saúde e ela rumou de volta à Marilena. Ontem, a Mara me ligou porque viu no orkut da tia da Sil, que a vózinha tinha partido desta para melhor. Então, amiga, precisamos ser forte no momento da morte de pessoas queridas. Não é consolo para nós, reles humanos, saber que nossos amigos e parentes estão em um plano melhor, porque somos egoístas demais para perder quem amamos. Por isso, te desejo força nesse momento. Te espero aqui em Videira, de braços abertos e conforto.
* * *
Tá. Vou revelar uma das minhas metas para este ano. Gastar menos! Sim, quero reduzir despesas desnecessárias para poder adquirir alguns bens e pagar minha pós. Mas, às vésperas do carnaval já tô vendo que vai ser difícil... Tudo bem, tudo bem, é questão de prioridades. Sei disso. Por isso, tô tranqüila: carnaval é algo de extrema necessidade para mim. He He He. É a folia dos reis, ora! E eu sou uma rainha.
* * *
Eu me divirto comigo mesma. Aliás, a muito sei e digo para as pessoas, eu me basto em alguns momentos, he he he. É por isso que a minha mensagem no celular me deixa feliz cada vez que o ligo após uma sessão de cinema ou entrevista: "Linda, Divina e Maravilhosa!"
* * *
Em Porto Alegre fui assistir ao Amor Nos Tempos do Cólera. Pessoas, quem é fã de Gabriel Garcia Marquez não vai se arrepender de ver na telona, o romance do Nobel. É bárbaro! ! ! Perfeito e igual a obra do escritor. Imperdível.
* * *
Em Videira fui ver Bee Movie. Bem divertidinho. Animação que vale a pena conferir. Se ri do início ao fim com o humor inteligente do diretor e roteirista.
* * *
Beijo na bunda e até segunda!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe