Pular para o conteúdo principal

Do esporte à moda



Criado para jogadores de basquete, o All Star conquistou o mundo e se tornou um ícone de estilo

by Wania Bittencourt


O ano era 1917. O mundo mergulhava na Primeira Grande Guerra Mundial e a Rússia na revolução bolchevista que daria origem à União Soviética. Enquanto isso, nos Estados Unidos, a empresa americana Converse se preparava para calçar as feras do esporte favorito dos norte-americanos: o basquete. Foi neste contexto que surgia o All Star, o tênis mais famoso do planeta. Feito de lona e com sola de borracha, no início ele não tinha tantas opções de cores como hoje em dia, mas tornou-se febre entre os jogadores. A história, entretanto, não acaba por aí. Com o passar das décadas, caiu no gosto popular, chamou a atenção de Hollywood e, mesmo assim, ainda se tornou parte do uniforme de músicos e revolucionários, principalmente os punks da década de 70. Hoje, a marca cede aos interesses da indústria da moda, está presente em 144 países e já tem comercializado mais de um bilhão de pares. Milhares deles já passaram pela região e fazem os pés e a cabeça de jovens como Melissa Trierweiler, 16 anos, Eduardo Regis Junckes e Suzana Gross, ambos de 20. Apesar da idade próxima, eles têm estilos de vida diferentes. Melissa ainda está no Ensino Médio, faz curso técnico e é fã de Cansei de Ser Sexy. Eduardo faz faculdade de Moda, atua na área e gosta mesmo é do rocknroll. Já Suzana estuda Farmácia e, apesar de morar perto da praia, tem uma coleção de tênis. O que eles têm em comum? O All Star. - É um calçado que não morre porque faz questão de estar vivo. É versátil, pois pode ser usado com um look básico e até mesmo os mais sofisticados, como os perolados, com glitter. Além disso, a empresa que fabrica o tênis acompanha a cabeça dos jovens, suas aspirações, seu modo de viver - comenta Eduardo. - O sucesso do All Star está ligado à sua diversidade. Ele consegue agradar a todos os tipos de pessoas, pois conta com mais de 1,2 mil modelos diferentes e vem se atualizando ao longo dos anos - comenta Suzana, que trabalha na loja Vírus, única no Estado especializada nos tênis da Converse.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe