Pular para o conteúdo principal

É... Só assim

Hoje desci no calor da tarde de Videira. Isso aqui é o inferno e ninguém sabe... E nem chegou o verãozão ainda...

Pois bem, fui comprar minha sandália, que estava reservada há uma semana já. Não posso andar com dinheiro na bolsa. Gasto tudo! Sou um compulsiva nata. Então reservei e fui buscar. Pensei até que não teria mais o mimo, mas estava lá. Guardadinha com o meu nome. Trouxe-a para casa, bem feliz, com uma parada no Besc, para sacar mais dinheiro e gastar mais um pouco do vil metal.

Subi tranqüilamente, fazendo os pit stop's necessários e desnecessários, claro.

Na Pitol, barganhei um desconto, só para não perder o hábito. De pronto, a moça disse que tinha desconto à vista. Bem feliz, pensei que não precisaria passar no banco. Que nada! De R$ 49,90, a tal da sandália passou para R$ 47,40... Pensei, enfia no cú o desconto, oras... Mas ela foi tão solícita que fiquei com dó de recusar ou barganhar mais. Mas, pô, R$ 2,60 de troco é foda, tchê. Então, no meio do caminho decidi gastar mais e aí sim, fiz o pit stop necessário para alimentar meu instinto consumista.

* * *
Tava com a idéia, desde a manhã, de assar uma carne. A coitada da churrasqueira não via fogo há muito tempo. Então, depois de um desânimo no sábado, a segunda surgiu como a alternativa certa. Nada melhor do que começar a semana com algo agradável. Então fiz as compras e assei uma carninha. Chamei o Ervilha para degustar na nossa mesa (digo, do meu rolo de fios improvisado). Gosto do bicho, mas ele é esquivo. Mais do que cavalo chucro, hehehe. Mesmo assim ele veio. Comeu do meu pão com alho salgado e com margarina sebosa, da lingüiça de casa, tomou a caipa boa (mas filha única), bebericou da ceva, ainda não gelada, papeou e picou a mula...

Tenho tido vontade de voltar a cozinhar. Sim! Logo eu, que nunca gostei. Até pedi um peixe para uma amiga este domingo. Ela tem várias tainhas congeladas em casa e há tempos está doando. Como sou cara de pau e quero testar minhas habilidades culinárias com um peixe, mesmo não gostando da carne, pedi. Quero fazer assada e ofertar para os amigos do peito. Estou adotando a cozinha de novo, como meio terapêutico... Pelo menos até janeiro, quando começarei a natação. É claro que precisarei aprimorar meu churras, portanto, está instituído. Todo santo domingo; churras na laje e ceva no tanque!!!

* * *
E como diz a Silvitcha, só por Deus!!!!!
Ontem, assistindo ao 14º episódio de Heroes, a Jéssica, personalidade assassina da Niki (encosto ou sei lá o quê), finalizou o episódio. Niki está presa. Se entregou por homicídio à polícia para que a Jéssica não pudesse mais cometer as atrocidades que vinha fazendo. Então, depois de um ataque violento da "Jeh", Niki foi posta numa camisa de força e ganhou uma dose de calmante. Então ela pediu por Deus, mas quem respondeu foi a outra.
- Quem precisa de Deus quando tem a mim? (achei bárbaro o final. a atriz é muito boa)

Pois bem, eu digo: "Dai-me forças meu pai!" É... Só assim.



Comentários

Anônimo disse…
Oi, achei seu blog pelo google está bem interessante gostei desse post. Gostaria de falar sobre o CresceNet. O CresceNet é um provedor de internet discada que remunera seus usuários pelo tempo conectado. Exatamente isso que você leu, estão pagando para você conectar. O provedor paga 20 centavos por hora de conexão discada com ligação local para mais de 2100 cidades do Brasil. O CresceNet tem um acelerador de conexão, que deixa sua conexão até 10 vezes mais rápida. Quem utiliza banda larga pode lucrar também, basta se cadastrar no CresceNet e quando for dormir conectar por discada, é possível pagar a ADSL só com o dinheiro da discada. Nos horários de minuto único o gasto com telefone é mínimo e a remuneração do CresceNet generosa. Se você quiser linkar o Cresce.Net(www.provedorcrescenet.com) no seu blog eu ficaria agradecido, até mais e sucesso. If is possible add the CresceNet(www.provedorcrescenet.com) in your blogroll, I thank. Good bye friend.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe