Pular para o conteúdo principal

Os últimos 10 dias

# Porto Alegre #

"Estou de volta pro meu aconchego..." Por quatro dias estivesse despreocupada, amei e fui amada, me diverti, dormi pouco, não fiz nada, mas absolutamente nada, fui paparicada, enchi a cara, transei, comi muita pizza, transitei pela cidade, revi amigos (poucos deles), dancei, me surpreendi e fui surpreendida. Porto Alegre é assim ultimamente. Efervescentemente surpreendente, delirantemente calma e agitada.

# Porto Alegre 2#

Mas algo me entristeceu ao caminhar pelas ruas da Cidade Baixa, no Domingo, quando me dirigia ao café do Cine Guion encontrar o Alê. Uma concentração enorme de pessoas (adultos, jovens e crianças) em situação de rua. Não há mais espaço para tanta gente nas calçadas, para tanta gente mendigando, para tanta gente tentando sobreviver vendendo comida furtada de algum estabelecimento. Chega ser degradante, desumano, e claro, muito triste, ver tantas pessoas assim nesse estado e ao mesmo tempo perceber o descaso que as autoridades públicas tratam o caso.

A capital gaúcha é uma cidade turística. E o bairro City Down, n há transcrição mais perfeita para o local do que o termo em inglês, é o local da bohemia dos gêneros e genérica e cult e pop e gaudéria da cidade. E não só por isso, são pessoas, e pessoas n podem ser descartáveis. Tá na hora da população de alertar sobre o 'cara do lado'.

# Porto Alegre 3 #


Ao ver o Alê, que eu amo de paixão, descobri que apenas algumas horas não é suficiente para acabar com a saudade, para estreitar a distância, para mimar e ser mimada. Nossa convivência diária, seja por fibra óptica, internet ou real não tem como ser suprida com encontros trimestrais ou semestrais. Mesmo assim, sigo falando com ele pelo MSN para ver se a gente se acostuma com isso.


Ah, ele me deu um jogo, clássico, chamado Call of Duty que não consegui jogar ainda, porque sou tança mesmo, hehehe. Ele teve que me explicar por MSn e ainda disse que vou fazer os alemães ganharem a primeira guerra mundial. Que novidade... Hehehehe.

# Porto Alegre 4 #

Nossa, o pessoal do primário é gente fina pacas. Rever o PP, a Jana e o Alex foi tudo de bom. O encontro, regado a vários Santa Ana e engrossado com pizza, só fez com reforçasse a minha idéia de que a infância é a melhor fase da vida, com ela, os amigos de colégio. Pena que não deu para reunir todos, gostaria de rever o meu primeiro amor, hahaha. Sim, eu gostava do Clóvis, embora disputasse o Fernandinho com a Anaí.

Nesta noite também teve uma balada diferente na sequência. Com direito a king kong espanhol. Mas esta história não me pertence contar, passarei o chapéu, hehehe.

# Porto Alegre 5 #

Claro que o encontro com as gurias, MMs e Docinho, não poderia faltar. Fomos, as três desempregadas, gastar nossas economias no Sgt. Peppers. Nem me lembro quanto gastei, mas sei que não foi pouco. Mas valeu, porque sempre me divirto com o humor cinza da Docinho e com a boa vontade da Marcita. Dessa vez eu tirei um breve cochilo antes de sair. Deu para garantir a noite de sexta-feira todinha alerta, bem serelepe.

# Porto Alegre 6 #

E o almoço de domingo lá em casa é dos melhores. Ou seja, o que eu quiser comer. Hehehe. Desta vez não fui exigente. Sai todas as noites e dormia o máximo que podia. Então, nada de abusar dos velhos, hehehe.

Bom, sobrinhos terríveis na área e Elaine solta na botique da vizinha. Resultado: preju, claro!!!! Na lojinha da vizinha, no mercadinho da esquiena, nos cofrinhos da mãezinha.

# Porto Alegre 7 #

Mas chegou a hora de ir embora. E ainda não tinha visto todos, não tinha comprado os mimos dos amigos e não tinha feito as coisas práticas ao qual tinha objetivado (o que significa que terei que ir novamente à Porto, que pena... hehehehe).
Para isso que serve uma segunda-feira na capital gaúcha. Mas só consegui fazer 1/3 das coisas e ver a Rê. Mas, ao chegar em casa, uma agradável surpresa me esperava: a Mirela!!! E advinha? Ficamos conversando, comendo, bebendo, até que me atrasei ao ponto de quase perder o ônibus e de esquecer a única coisa que consegui fazer na cidade: comprar os mimos. Mas valeu!!! Adorei.

# Videira #

No último dia do mês, acordei em terra catarinense. Com saudade do Sha e da Sil e do Neno (do Bolo Fofo não pq ele tava comigo). De volta a realidade, decidi começar a me articular apenas esta semana. "Dias de luz, festa de sol e o barquinho a velejar..." Foi bom. A semana foi marcada por jantares dos bons, na quarta, na sexta e no sábado.

A pizza (de novo) com vinho em comemoração aos "4 milão", hehehe, da Silvitcha foi tudo de bom. Na sexta, a vaca atolada do Edélcio foi de lamber os beiços. Muita gente se divertindo, reunida, tranqüila, sinônimo de festa garantida. E no sábado, soltei o verbo no legítmo karaokê da Estela, hidratando as cordas vocais com o chope do Emídio.

Para encerrar a semana e iniciar a outra, com chave de ouro: o churras de domingo, mais vinho e tevê a cabo. Ah, que eu sou feliz!

# Eu menti de novo #

Não adianta. Não posso fingir para mim mesma. Eu tenho ciúmes sim. E sei bem aonde depositá-lo. Sei aonde mora o perigo e é bem ao lado... Sim, sou possessiva também. Então, a partir de agora vou deixar as coisas bem claro: se eu estou junto, "te segura malandro, porque pra fazer a cabeça (de baixo) tem hora", já dizia o sambista do morro Bezerra da Silva.

Na historinha de amor de Romeu e Julieta, os dois jovem se apaixonam. O amor porém, é impossível, pois as famílias, os Montéquio e os Capuleto, são rivais e costumavam se confrontar nas ruas de Verona. Portanto, nela não consta nenhum triângulo amoroso não. E Mercutio era apenas o primo da Julieta, que nada tinha de incesto com a jovem. Portanto, se liga bico de luz, por que tô no teu. Ou seja, nada de manifestações de afeto, em público, para terceiras, que tava mais passada que fruta em dia de feira, na hora da chepa.

# Deixei a raiva secar #

Recebi um email com uma fábula sobre como deixar o barro secar nos calçados, para melhor retirá-lo depois. Receita da avó de uma menininha. Já a sua mãe lhe disse, num momento em que estava com raiva da amiguinha que, provavelmente havia quebrado sua boneca, para deixar a raiva secar, para depois falar com a menina, que explicou que um menino mau havia quebrado a boneca emprestada, sem ser sua culpa, entregando-lhe o brinquedo novo. A guriazinha então disse: tudo bem, porque minha raiva já secou.

Foi o que fiz, deixei a raiva secar, para depois falar as poucas palavras, expor as dúvidas mais amenas, de modo sorridente, sem que nada afetasse o "romance", do mesmo jeito que me afetou o "engano". Enfim. Só sei que nada sei e que espero que tenha entendido o recado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe