Pular para o conteúdo principal

Prêt-à-Porter 10

As vaias

Um sinal de descontentamento claro. É isso que significam as vais. Quem nunca vaiou alguém? Crianças fazem isso, adolescentes, adultos. Penso que é um ato democrático que reflete uma opinião contrária de uma ou mais pessoas, sobre algo que incomoda ou uma discordância.
As vaias recebidas pelo presidente Lula durante a cerimônia de abertura do Pan foram um reflexo de uma parte, restrita, da população. Eles estavam no seu direito, mas não creio que tenha sido o momento exato. Afinal, geralmente se vaia alguém no momento real do descontentamento. O que não era o caso, afinal, todos os presentes queriam assistir a cerimônia de abertura de um evento espero por dez anos. Pagaram de R$ 20, setor D, a 250,00, setor A e com certeza não foi para vaiar. Mas exercer o direito de cidadão, comparecendo a atos de governo, para vaiar, aí ninguém quer. Se organizar para manifestar o desagrado sobre as políticas públicas dá trabalho demais. Então, a praticidade do útil ao agradável do brasileiro foi o que venceu.
Mesmo assim, ainda penso ser um ato democrático, que, com efeito, fez com que o presidente quebrasse o protocolo e passando a vez em declarar os jogos abertos, como cabe a todo “dono da casa”. O entendo é que agradar gregos e troianos é um ato difícil. Eu, por exemplo, já não tenho esse objetivo. Mas, penso que no caso do presidente da república, essa manifestação contrária a tudo que vem acontecendo no cenário político deva se tornar uma meta desafiadora, no intuito de melhorar a receptividade a sua administração.
E já que falei em gregos, vou refletir aqui o histórico das vaias, brevemente. Esta manifestação de desaprovação é milenar, vem pelo menos desde a Grécia Antiga. Seu registro mais remoto vem do governo do reformador grego Clístenes, um dos governantes de Atenas que ajudaram a formar o conceito de democracia, no século 6 a.C. Os gregos reunidos em assembléia manifestavam sua aprovação ou desaprovação aos oradores por meio de palmas ou vaias, bem como hoje.
Os concursos de teatro nos quais competiam as tragédias, por ocasião dos festivais religiosos, eram de comparecimento obrigatório, daí a população vaiar as peças que não gostava para que sua apresentação fosse interrompida com antecedência. Na atualidade, a performer Denise Stocklos, destaque com suas apresentações que casam texto, encenação, mímica, apresentou em setembro de 1995 a peça Elogio no 2º Porto Alegre em Cena. Quando o espetáculo, com duração de três horas, estava na segunda hora, um grupo de 30 pessoas exigiu, aos gritos e muita vaia, que a peça fosse interrompida antes do fim.
Anos antes, também no mundo das artes, na eliminatória paulista do 3º Festival Internacional da Canção, promovido pela TV Globo, Caetano Veloso apresentava sua composição É Proibido Proibir, e foi alvo de intensa vaia do público, que o considerava alienado. O compositor parou de tocar e comprou a briga, xingando de reacionária a juventude esquerdista que, nas suas palavras, "não estava entendendo nada".
O anti-americanismo que levou o público brasileiro a vaiar as atletas da delegação americana neste Pan não é fenômeno deste ano. Em janeiro de 2001, na 3ª edição do Festival Rock in Rio, a popstar Britney Spears, ao interpretar a música Lucky, projetou no telão uma bandeira americana. O público vaiou e repudiou a imagem aos gritos de "Brasil, Brasil".
Estes foram alguns exemplos. Assim foram e ainda serão outras manifestações do tipo. Afinal, vaias são o descontentamento de um grupo, numa sociedade democrática.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe