Pular para o conteúdo principal

"Perdida em noites frias"

liguei para casa este final de semana, desde que a mãe foi embora. e ela tinha novidades já, hahaha. putz, e não me liga para contar... se bem que a casa anda cheia. graças a Deus e aos amigos e parentes de fé que não abandonam o casal de pretos velhos.

mesmo assim foi inquietante este contato. primeiro a mãe perguntou quando eu iria para casa e disse que seria no final do mês. então lá veio o pedido para que adiasse até o final de semana do Pais. não sei se quero adiar. já adiei tanto e tenho tantas coisas para fazer... mas isso é o de menos. o que me preocupa é que, novamente a mãe tocou no assunto. ela quer que volte para casa e está certa de que um super emprego vai surgir para mim, a ponto de me convencer a voltar mesmo.


não sei o que dizer a ela. não sei se consigo dizer não. acho que não tenho esse direito. cada vez que ela me pede isso, penso no dia em que o pai teve o edema pulmonar e que ela ficou em choro compulsivo por mais de 20 minutos. nunca tinha visto minha mãe chorar. nunca tinha visto sua sensibilidade, seu amor, seu desespero. já conhecia sua preocupação, mas não seu desespero. como posso negar qualquer pedido a ela?


sempre pensei que deveria ter ido embora de Videira e ainda penso nisso. por isso evito comprar movéis e eletrodomésticos. fica mais fácil ir embora quando não se tem nada para carregar. a única preocupação que tenho agora é com o Shazan, que é um gato capeta, mas meigo e carinhoso demais. Aonde for, e que não cause nenhum sofrimento físico a ele, levarei-o junto, como o companheiro que és, o bichano...


não me lembro se já contei para vocês,mas vou repetir, caso tenha feito isso. vim para Videira porque vi a oportunidade de sair de casa sem magoar os meus pais, o velho principalmente, que é conservador e machista. estava bem com eles, mas há muito não queria mais morar com eles, porque tinha outros planos, porque queria respirar, porque queria ficar à vontade comigo mesmo, sendo naturalmente eu. e como explicar isso, sem que os ressentisses, quem sempre amei e por quem sempre abri mão de várias coisas? então aceitei vir para uma terra estranha, com cultura diferente ao que estava habituada, sem conhecer ninguém, nem o Fernando direito. sem eira nem beira... agora vejo entre o pedido de uma minha mãe, que não mede esforços para tudo que quero, até hoje, que procura trabalho para mim, que me atende prontamente aos meus pedidos infantis, de filha mimada tardiamente, depois de nêga véia. ai que aperto no coração...


ver "dois perdidos numa noite suja" não adiantou muito não. o Tonho, personagem de Roberto Bomtempo, quer voltar para casa, depois de cinco anos em Nova Iorque, atrás do sonho americano, que virou um pesadelo. Debora Falabella faz Paco, que quer ser uma popstar de maior que sucesso que a Madonna, cantando só que compondo e cantando hip-hop. é claro que nada disso acontece. mas Tonho, um cara ingênuo e humildo quer voltar para o Brasil. não quer mais subempregos e ficar longe da família.


ai que triste essa esse filme. comprido e triste. nada tenho em comum com os personagens, mas me pareceu estranho estar num lugar onde nada é meu. onde estou sozinha. com perspectivas, mas todas incertas, como são perspectivas. então, me vi confusa de novo, sem saber o que fazer.


o que sei é que estou esperando, ansiosa o final do mês, para vê-los, revigorar as energias e os pensamentos, para depois ver o que faço. na verdade queria ir embora para o Paraná e depois Minas Gerais. mas, quanto mais longe, mais difícil será revê-los, então, acho que devo aproveitar a pouco distância, enquanto posso. acho que é isso.

Comentários

Marcelle disse…
Olá querida. è realmente meio complicado esse negócio de ficar longe de casa. Já pensei nisso várias vezes mas acho que realmente só devo ir, quando realizar o sonho dos meus pais e o meu antigo tb.. sair direto para uma vida a dois Mas, o melhor a fazer no seu caso, é conversar. Seus pais, como seus grandes amigos, têm que entender que vc cresceu, que precisa do seu espaço, da sua vida. E poderia morar perto deles, no seu mundo, mas com a sua casa, suas coisas, seu jeito. Vc precisa realmente pensar, avaliar suas possibilidades, medos, descobrir o que é certo pra vc. Beeijos linda, boa sorte tah?! =***
Silvia disse…
Ah tá!! e em mim vc não pensa né?? me conquista , me pede em casamento e depois quer vazar???
Humpf...
Saiba que estou na torcida por vc...tenho minha opinião sobre isso, pois não me vejo voltando para marilena... mesmo assim é preciso fazer não somente o que o coração manda, mas tbem a razão, porque no mundo em que vivemos é facinho sermos esmagados e ficarmos ainda mais frustrados...
Faça tudo com calma... e nem pense em ir embora já... a TV a cabo está chegando...
beijo fofis..
Barbara disse…
Volta, volta, volta!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe