Pular para o conteúdo principal

PRÊT-À-PORTER


Qual é a música?


Qual é a Música? é um programa de competição de auditório da televisão brasileira, apresentado por Silvio Santos, desde os anos 70. A atração promove no palco uma gincana musical com a presença de três artistas do sexo feminino e três do sexo masculino. Ao longo do programa, ambos os trios têm de mostrar seu conhecimento musical em uma série de provas. Quando eles não sabem a música quem participa é o auditório que canta e ainda sai com um prêmio em dinheiro do programa.
Mas, a coluna desta semana não se trata do programa televisivo, e sim sobre uma curiosidade pessoal. Qual é a música que embala a sua vida no momento? Costumo dizer aos amigos e colegas que sou um ser musical. Mesmo sem conhecimento de causa, apenas uma apreciadora de notas musicais seqüenciadas e ritmadas, coloco a música como “pano de fundo” nesta edição. Tem mais: dedico esta “viagem sonora” a quem não sabe viver sem um tema musical, ou sem som e, principalmente, àqueles que fazem uso de qualquer estilo ou canção como meio propulsor para as ações do cotidiano.
Para muitos parece estranho, dá para perceber pelo olhar das pessoas nos passeios. Em outros vejo um olhar de compreensão. É que ando pelas ruas da cidade, com fones nos ouvidos e MP3 no pescoço, ao embalo de musicas, de variados estilos, que me divertem, matam a saudade de entes queridos e distantes ou me remetem a situações vividas. Mas não sou a única a agir assim. Um colega, por exemplo, que hoje se aventura na capital catarinense, só conseguia se concentrar no trabalho ouvindo música eletrônica – bem alto! Tanto, que a comunicação entre nós era gestual ou, numa tentativa ruim, por meio da leitura labial. Era nesse estilo que ele embalava seus dias, e muitas vezes os do restante da equipe.
No início da década de 90, a música poderia ser vista também, retratando situações fictícias do dia-a-dia de pessoas. Numa parceria do cinema com a televisão, o cineasta Cacá Diegues produziu Veja Essa Canção (1994), filme de episódios primeiro exibido na tevê. Na época, havia dificuldade de comercialização dos curtas nacionais, então, eles foram reunidos em uma fita, já que se tratavam da mesma temática, embora sob ângulos diferenciados, e veiculados pela televisão.
Cacá Diegues organizou os curtas através de músicas nacionalmente e internacionalmente divulgadas, deixando os filmes nos embalos de pura MPB. Críticos da sétima arte destacaram “Samba do grande amor”, de Chico Buarque; “Pisada de Elefante”, de Ben Jor; “Drão”, de Gilberto Gil, e “Você é Linda” - de Caetano Veloso. Os nomes das músicas são os títulos de cada curta que possuem formas de linguagem extremamente diferentes. Como tema das histórias estavam a traição, o casamento, a criminalidade e a terceira idade, encenados por artistas consagrados e novos talentos. Era lindo de se ver e ouvir!
Agora revelo para vocês qual é a minha música, que define parte da minha personalidade, o meu jeito de ser: “Na veia da nega”, por Jair Oliveira e Luciana Mello:
...
Na veia da nêga corre amor
Na veia da nêga corre o som
A veia da nêga é forte
Na veia da nêga corre sangue bom
Essa nêga ela vem cantando
E a vida ela vai levando
Ela samba que samba
Ela sabe que é bamba
...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe