Pular para o conteúdo principal

PRÊT-À-PORTER

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.
(Motivo, Cecília Meireles)


A Efemeridade do Tempo

“Motivo”. Este é o nome deste poema de Cecília Benevides de Carvalho Meireles (1901-1964). Não sou conhecedora de sua obra completa, pelo contrário, mas do pouco que li, percebi que por meio de uma linguagem cheia de símbolos e imagens sugestivas, ela faz um forte apelo aos sentimentos, com tendência para a musicalidade até.
Cecília cultivou uma poesia reflexiva, de fundo filosófico, que abordou, dentre outros, temas como a transitoriedade da vida, a efemeridade do tempo, o amor, o infinito, a natureza, a criação artística.
Mas todo esse enredo é para falar sobre o tempo e como o utilizamos. Já estamos na segunda quinzena do mês de junho, no final do primeiro semestre deste ano. Muitas pessoas se queixam de que num piscar de olhos, muito tempo se passou (praticamente seis meses de 2007) e nada fizeram. Sonhos ficaram no campo sensorial, planos continuam traçados na mente, objetivos que ainda não foram cumpridos... E a idéia de que metas de vida e profissionais não sejam alcançadas estão assustando a todos. Portanto, a questão é: o que fazer com a efemeridade do tempo, enquanto nossas vidas transcorrem por ele, sem leme firme?
Enfim, esta preocupação me foi trazida por muitas pessoas com as quais converso, sejam elas de minhas relações pessoais, profissionais ou entrevistados. Percebo que estamos presos nessa atitude de questionamento e de tentativa de compreender o mundo, através da efemeridade do tempo, da transitoriedade da vida e da busca de nossos objetivos – nesse redemoinho todo. Embora reste cerca de 50% do ano para que possamos agilizar esses processos, é melhor tomarmos cuidados e não cochilar...

Trabalho Infantil
Na última terça-feira (12) foi o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil.
No Estado, 5.857 crianças, de cinco a nove anos, estão envolvidas em algum tipo de atividade rural, enquanto 585 ocupam postos em área urbana. O acréscimo de mais de 300% – no ano anterior eram 1.738 na área rural – foi apontado na última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do IBGE, de 2005.
Segundo o estudo, o Brasil tem hoje cerca de 1,5 milhão de crianças e adolescentes que trabalham no campo. A maior concentração é no Nordeste. Mas foram o Sul e o Centro-Oeste que apresentaram maior crescimento. No contraponto está o Programa Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), que tenta mudar essa realidade. Mantido pelo governo federal e municípios, o programa é desenvolvido há sete anos em Santa Catarina. Hoje está presente em 207 municípios (inclusive Videira), atendendo a 33.346 crianças ao todo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe