Pular para o conteúdo principal

Médias sobre a minha vida de Melrose Place

No início desta semana, entrei na padaria Videira para comer um pastel (que para mim é uma iguaria) e acabei optando por uma lasanha falsa. Ao invés do habitual suco, me arrisquei a tomar uma mini-lata de refrigerante. Sim, creiam! Mas levei uma hora para tomar uma latinha minúscula de sprite... Eu entendo tanto de refrigerantes quanto de futebol. A balconista perguntou se queria mais alguma coisa, quando pedi o lanche, disse que iria olhar o freezer, e qdo ela me entregou a comida perguntei se n tinha guaraná em mini-lata. Ela disse que as mini-latas são da Coca-cola, portanto, n existia no sabor guaraná... Ai, que tança, hehehe.

Desde que conheci o Iaran venho lembrando fatos da minha infância feliz, em Porto Alegre. Coisas simples. Do tipo: ficar em volta da saia da mãe, enquanto ela estava cozinhando, choramingando por um pedaço de caldo knor (que gosto até hoje de comer), pra lamber a lata de massa de tomate, comer arroz ou massa crua. Criança tem cada uma...

Pessoas, não sei o que dizer quanto a minha felicidade. Me sinto estranha, estando neste estado de espírito, enquanto amigos passam por dificuldades ou apertos profissionais. Queria que todos pudessem estar com a paz de espírito que estou, mesmo sem ter um tostão no bolso, ganhando pouco, com dívidas, longe da família e dos amigos do peito. Queria perceber o sorriso naqueles que me amam e aos quais também nutro o mesmo sentimento, apenas por andarem pelas ruas, vendo pessoas no seu dia-a-dia. Queridos, não serve como consolo, mas vou falar o que aprendi. Indignação é importante para que tenhamos força para dar o próximo passo, portanto fiquem indignados, mas olhem para os lados, algo de bom deve estar acontecendo, contra milhares de coisas indesejadas. E acreditem, podemos carregar todo o fardo que nos impuserem e ainda pular obstáculos. Sejamos todos fortes, que venceremos. Nada pode ser pior do que a doença que abate a nossa família e amigos queridos, e, mesmo assim, é possível vencer o desânimo. Então, não se deixem abaterem pela maldade alheia, porque o que é das pessoas de bem, está guardado, sob os braços de Deus, esperando o momento em que tenhamos maturidade para recebermos o que é nosso. Neno, querido, não sei se ajudei, mas seja de forma for, somos vitoriosos quando acreditamos em nós mesmos.

Putz! Não sei o que acontece... Eu respeito a terceira idade. Acho que são merecedores de toda a educação e gentileza dessa vida, pq não há quem tenha chego na velhice sem ter sobrepujado obstáculos que marcam a face. Mas velho passado é pácábá! Sim, eu ainda caio na lábia do vovozinho... E olha que nem tenho perfil de Chapeuzinho! Tava eu, subindo para casa, á tarde, ouvindo meu MP3 monofônico, quando um velhinho calvo, daqueles que só tem cabelos nos lados e ainda penteiam sobre a careca para disfarçar, sorriu para mim e falou comigo. Distraída, pensei: me parece familiar. .. Tirei o fone do ouvido, sorri e parei. - Tá passesando? - Não, estou trabalhando. Respondi já sacando qual era... O velho tava me paquerando! ! ! - Tá indo aonde? Olhei tonta para os lados e apontei para a Colombo. Bem capaz, nem que tivesse carregada de sacolas, vou querer um bola cansada pra mim. Se até os novinhos só conseguem dar uma, quem diria os veios?! Coloquei o fone e voltei para minha subida.

O Pompeu me adora. E eu também gosto dele. Qualquer dia desses vou parar para conversar com ele.

Na terça-feira fui ver Shrek. Não é que é meigo o filme... Adorei! Melhor que o Shrek II. O Gato de Botas fez a mesma cara de dó que o Shazan, hehehe. O filme é uma viagem, uma revolta total dos personagens dos contos de fadas. Agora uma coisa é certa: oh gente chata aquelas mocinhas... A Rapunzel não agüentou tanta benevolência e sartou fora, hehehe. O Fernando gostou do Gato de Botas, se assistiram devem saber porque. O sonho dele agora é ser um seguidor do Gato de Botas. Abandonou já Jung, acho que nada dando certo a técnica dele, hehehe. Para mim ele tá mais para Gato Borralheiro do que de Botas, mas tirar as esperanças da criatura pra que?

Hoje tem encontro pocket aqui em casa. Adoro esses momentos. Dessa vez abrimos o círculo para mais convidados. Vamos ver o que vai rolar. O último durou sete horas e só quatro pessoas fizeram a festa. Imagina agora que tem mais convidados. Nossa...

Enfim, tudo vai bem no país das Maravilhas... Até então!

Comentários

Anônimo disse…
Dããããã..tem guaraná da Coca - Cola sim...o Kuat...tu é monte mesmo....não tem jeito...acorda pra vida negona...porque Kuat tu toma sim senhora...rsrsrs
mas foi ela que disse que n tinha! nem lembrei do Kuat.
O Mais Novo disse…
E disse que entende mais de refri que de futebol, imagina o que entendes por futebol... hehehehe

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.