Pular para o conteúdo principal

Ah, o Boca... ou o Jr.

Sim, vou falar do jogo de quarta-feira. Futebol? Claro que não, apenas rapidamente. Odeio futebol, mas sei que teve gol. Eu pelo menos fiz um na semana passada. Já o Boca Juniors fez 2x0 no Grêmio. Mas o que sei foi o que Jr me disse no final do segundo tempo. Ele sim gosta de futebol. Torcedor ferrenho do Boca, quando o Inter não está na parada, como na semana passada.
- 2xO pro Boca.
O primeiro tempo não vi, não ouvi e nem fiquei curiosa. Estava preparando o campo para a minha partida: o jogo da sedução. Ficou perneta. Tive contratempos à tarde, me desconcentrou, mas, mesmo assim, segui o barco. Para aquecer os jogadores, um merlot, casta duvidosa, mas a intenção era boa, afinal, é o tipo de uva que ele gosta. E o Jr, com sua sutileza de elefante em loja de cristais percebeu o esforço. Com um riso bobo, como todo bobalhão, mas percebeu, hehehe.
Pela manhã pensei em petiscos. Minha idéia era outra, mas tudo mudou na última hora, então, para a entrada, foram mesmo sementes: amendoim coberto com cebola (queria pistache, que é bem mais gostosa, mas as bases financeiras não me permitiram para tanto), castanhas de caju, ovos de codorna, para fortificar o bicho, e as tradicionais azeitonas. Para adoçar a vida, uvas passas brancas e pretas, dispensadas pelo jogador, que às vezes é seletivo, mas só nos ingredientes para a culinária. De resto vai tudo, até Maria Bonita dos pampas catarinenses.
Para criar um clima de romance, embora essa categoria houvesse sido renegada com antecedência, velas, aromatizador (de limão, porque o bicho é chato, tem todas as “ites” e não gosta de qualquer cheiro. Como algo cítrico ajuda na desobstrução das vias respiratórias, foi este, mesmo tendo yang lang em casa), e meia luz. Ah, o apartamento aqui ajuda muito. Tem um jogo de luz bem bom. Na vitrolinha, a boa e velha Sade.
Depois de muita correria, 20h15 foi a hora de chegada. Daria para dizer até que foi britânico. Alguns detalhes faltaram, mas tudo bem, pq o principal tava presente, embora as jogadas de ataque houvessem sido suspensas. A jogadora do time adversário entrou em campo e confundiu a zagueira. Mesmo assim o saldo foi positivo.
Jogadores em campo, amistoso rolando. Partida iniciada. Depois dos esportistas bem alimentados, hora de voltar em campo, mas desta vez para marcar o adversário. Fazer o corpo a corpo. O Jr parecia receoso, temeroso até, mas fomos entrando no campo devagar. Fazendo os cumprimentos de praxe, já na saída do vestiário.
Quando a partida começou, o terreno estava molhado, mas nada que assustasse os integrantes, pelo contrário. Tentativas a gol foram feitas, até que depois do intervalo e da troca de campo, estava lá, a bola na rede. E o Jr vibrou com a partida, indo saldar a torcida, que esperava ansiosa pelo resultado do jogo.
Gosto desta parte do jogo. Sempre há emoção verdadeira. Não dá para disfarçar a alegria do centroavante. A saudação deste jogador sempre me satisfaz.
_____
Jr, foi bom mas acabou, hehehe, e faz tempo, e antes do tempo regulamenta, diria. Para de trapacear porque eu sei as regras do jogo. Não esquece que é do meu jeito desta vez. Tá escrito tudinho no teu contrato, hehehe. Tu assinou com a anuencia da tua advogada, minha testemunha ocular. Bjos estendidos (para a torcida do Jr e no próprio).

Comentários

Anônimo disse…
Nunca tinha imaginado uma foda pelo ângulo do futebol.
Mas a parte da bola entrando no gol é perfeita.Só vc mesmo né negona. sua pervertida.
Ele queria ver o Boca... Concordei... Hehehe.
Escrivinhadora disse…
É como eu disse hj depois de perder o Gre-Nal... futebol é do caralho. Pena que, às vezes, brocha.
Lê, é o risto, mas aí a gente vai para a prorrogação, hehehe.
Mais um fã do Boca, hehehe.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe