Pular para o conteúdo principal

abri os olhos assim...

acordei estranha hoje. com uma sensação de perda, num misto de saudades, de decisões erradas, tudo isso neste sábado ensolarado e cheio de promessas de um dia e de noite boas. nesses momentos me lembro de que a yoga me equilibrava, me acalmava, permitindo que visse as coisas com mais clareza. tenho que voltar a fazer yoga. não é caro, mas estou numa fase financeiramente nefasta. e o pior de tudo isso é ter dinheiro para receber, de trabalho já feito, por meses e meses e não ter nem previsão para ver a cor da bufunfa.
mas tudo bem. todos temos nossas necessidades e prioridades. o que importa a dos outros se "eu estou bem". acho que é assim que esse povo pensa. o me ajuda que eu te ajudo já era. ficou num tempo distante. eu ajudava porque fazia parte das minhas funções. aliás, não era ajuda, era obrigação profissional, que fazia com prazer. até o primeiro, o segundo, o terceiro salário atrasado. ajuda mesmo fazia de outra forma, mesmo assim pouco valorizado, de retribuição só incomodação bancária que nem começou a se desinrolar ainda. depois veio a falta de consideração, respeito ao profissional, mentiras ditas descaradamente, enganações... o mundo cão esse!
nunca vi gente que gosta tanto de passar a perna no outro como nessa cidade. e tudo a troco de nada. porque dinheiro para mim é nada. aliás, desculpem, é sim, um mal necessário para a sobrevivência e a manutenção de nossas luxúrias. mas desde que seja seu, ganho de forma honesta, o que importa para onde vai o dinheiro? afinal, ele foi feito para ser gasto, foi ganho, batalhado para ser gasto. mas, daí a fazerem uso do que é seu, sem nem ao menos tê-lo pego, sem nem ao menos terem uma justificativa plausível?!
voltemos a falar de sacanagem e não é das boas, é das más mesmo. do tipo de gente mais que egoísta, pq os egoístas passam por privações que imputem a si e aos seus. essa sacanagem falo de gente invejosa, ruim, que a troco do nada ficam desejando ruindades as pessoas do bem. o neno tá passando por isso. eu já passei por isso, a silvitcha já enfrentou essa situação. muitas pessoas passaram e passam por isso, que penso ser completamente desnecessário, mas que acomentem a alguns, como nós. mas, como costumo dizer, c'est la vie! temos que enfrentar, então, touche!
hoje abri o jornal correio do vale para ver o que anunciava na capa. o seu ari, colunista do folha regional, até a semana passada, se bandiou para outros lados. sem nem avisar, sem nem justificar ou sem nem ao menos dar o tal de "aviso prévio" para o negão. que sacanagem das fudidas essas. isso sim chamo de deixar os colegas na mão... mais do que isso, é traição! na semana passada fiquei chateada com um fato, que me pareceu fofoca, picuinha. podem falar a verdade, não me importo. sou lenta mesmo. devagar. levo duas horas para escrever cada matéria. também tenho outro defeito, que é deixar tudo para a última hora, e o pior, com isso entrego tudo em cima do prazo. mas daí dizer que deixo os colegas na mão é foda. deixaria se não tivesse ligado e dito que precisa de mais tempo, que tava com um problema para administrar, mas que cumpriria o compromisso. mas não, sai todos os dias para fazer as entrevistas, procurar cases, substituir pauta derrubada, para depois saber que 'deixo os outros na mão'... de uma coisa eu sei e tenho certeza. não fico colando de release não e muito menos coloco meu nome no trabalho dos outros, como muitos colegas têm o hábito de fazer por aqui. isso sim é ser fodido com a equipe. querem saber: que vão todos a puta que pariu!
bom, a silvia comprou a tevê dela. bem bonitona, de 29" e tela plana. n deu para ver a imagem sem antena, mas deve ser de cinema! o único problema é que o sofá, embora bonito, não tenha posição harmoniosa na sala sem ser estar posto junto as paredes. eu acho que fica feio, mas também penso que para se ver tevê tem que ser de forma confortável, olhando aquela telona de frente e por inteiro. taí a polêmica da tevê. que chato. que chato ter que resolver tudo na mesma hora também, independente do meu bom ou mau humor. que fique de qualquer jeito a porra do sofá, feio ou bonito, isso é detalhes para o meu emocional hoje. o que quero saber mesmo é quando vai ter a sky aqui em casa. quero apresentar o mundo animal para o shazan.
terminei a pouco de ver um romance chinês. daqueles do tipo adagas voadoras, surreais, que só eles sabem fazer. bem bonito o filme, mesmo sem pé nem cabeça, pois as lendas chinesas são assim. "a promessa" é o nome do filme. tem a versão dublada e em mandarín. é claro que assisti o filme no dialeto chinês. aliás, me lembrei agora que o neno disso ontem que quer falar mandarim ainda. que interessante, hehehe. eu sempre quis falar francês e árabe. só que essa segunda língua iria me custar, mas caro do que quero pagar (e não falo em dinheiro, hehehe) para aprender. pior que tá bem acessível para mim. pena... bom, o filme fala de amor e sacrifício. todos os atores envolvidos fizeram sacrifícios pelo mesmo amor, a princesa chingcheng (n é bem assim que se escreve). ela já havia aberto a mão de um sentimento que nem conhecia, já na infância, devido as tantas dificuldades que passará. os seus três afetos fizeram suas abdicações depois. eu fiz, ainda na adolescência, a opção de não me apaixonar para que não me tornasse uma mulher submissa desse sentimento, para ter que abdicar, abrir mão, ceder, conceder, adiar sonhos, essas coisas todas. mas não deu certo. hoje amo sem fronteiras ou barreiras, sem nem ao menos saber porque amo. sem nem ao menos ter o que gostaria de ter. sem nem ao menos ter liberdade ou oportunidade de expor o que agora tenho coragem de mostrar. e ainda tenho a consciência de que não preciso me sacrificar para viver esse amor, de que não preciso me violentar, deixar meus objetivos de lado, essas coisas todas. hoje tenho a consciência de que amo meus pais mais do que tudo nessa vida, de que amo meus irmãos, mesmo do jeito que são. e que por eles não haveria sacrifício no mundo que não faria, só para poder continuar fazendo parte dessa família tórpida e torta que é a minha. hoje tenho a consciência de que o amor que sinto por meus amigos, meus amigos verdadeiros, é muito mais do que merecia. e que mesmo distante da maioria deles, sei que me amam do jeito que sou e que me querem bem, a qualquer momento. e que cada reencontro, por mais tempo que leve para acontecer, é como se tivéssemos nos vistos na semana passada, no dia anterior. e é por todas essas pessoas que espero o final do mês chegar, para ir à Porto Alegre, numa viagem cansativa demais, matar a saudade desse povo todo.
bom, acho que chega. foram coisas demais para um post. já estou mais leve. escrever e chorar sempre me deixam mais magra, hehehe. bjo no coração.


Comentários

Ah! Pára de ficar triste, depressiva. Tu tens saúde, és inteligente, uma casa linda, tem a Sil, o Shazan e a TV de 29 sem tv a cabo (por eqto!). Pára com esta bobagem. Vambora hj... depois me escreve sobre a festa d´hoje... nem decorei o texto do teatro..beiojos
tá certo, hehehe. bjo. se der, vamos lá tche. perto do Cetrevi. Bom, a gente se fala qq coisa.
Sei lá onde é, mas td bem... desde q tenhamos compnahia e um trago, o resto é detalhe. Sabe, Elaine, busquemos nossos sonhos..sejam quais forem ou onde forem... o mundo é grande...tem espaço pra todos..e tem lugares q esperam por nós.. apenas precisamos descobrir onde é. Beijos e teh mais tarde
Anônimo disse…
A tempo que acompanho seu blog, desde o dia que vi seu nome numa matéria assinada, lá no jornal "A Coluna", que deveria ser chamado de "O Calote"..hihi. Mas não importa, digitei seu nome no Google e apareceu o teu blog. Desdculpa a imtromissão, mas não posso deixar de escrever o meu recado sobre tua falta de din din....É claro que vc não vai receber, eu trabalçhei lá em 2002 a 2003 e só recebi com a força da lei, mas os que entraram depois q eu nem na justiça receberam......Então o negócio é vc agir enquanto é cedo, se não as mentiras vão continuar e o dinheiro nunca vai aparecer...
colega, espero ter sorte na minha empreitada. sou um ser esperançoso... obrigada pelo toque.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.