Pular para o conteúdo principal

Saideira/RS

A Imprensa nacional tem medo de falar dos anos de chumbo?

A edição de maio da 'Saideira - Encontros Periódicos com o Jornalismo' quer debater um assunto que, de certa forma, ainda transita com alguma parcimônia pela Imprensa brasileira - como as questões referentes ao regime militar dos anos setenta são tratadas pelos jornalistas. Que tipo de abordagem é feita hoje pelos veículos de Comunicação? Quais os tabus? Quais as lendas? O que é verdade?
Para debater essas e muitas outras questões, estarão presentes na próxima terça-feira, dia 29 de maio, a partir das 19h30min, no Zelig - rua Sarmento Leite, 1086, Cidade Baixa, em Porto Alegre - os jornalistas Elmar Bones, José Mitchell e Rafael Guimaraes. A Saideira é uma promoção da Agência Livre para Informação, Cidadania e Educação - Alice, com o apoio do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RS e da Catarse Coletivo de Comunicação. Informações em www.alice.org.br. A entrada é franca.
Elmar Bones trabalhou nas redações dos principais veículos do país. Na década de setenta atuou no Coojornal, um jornal editado por uma cooperativa de jornalistas, que marcou época no RS por sua postura frente à ditadura militar. Atualmente é diretor da Já Editores, responsável pelos jornais Já Porto Alegre e Já Bom Fim.
José Mitchell foi correspondente por trinta anos do Jornal do Brasil em Porto Alegre. Nos anos setenta realizou diversas reportagens sobre o regime militar. Hoje atua como coordenador de produção do Telejornalismo da RBSTV, e recentemente lançou o livro 'Segredos à Direita e à Esquerda da Ditadura Militar'.
Rafael Guimaraens foi repórter do Coojornal, sendo preso pelo regime militar por ter divulgados relatórios secretos do Exército Brasileiro, e editor de política do jornal Diário do Sul. É autor dos livros 'Porto Alegre Agosto 1961', 'Trem de Volta Teatro de Equipe' e 'Tragédia da Rua da Praia'.

Fonte: Sincidato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul
____
Já conseguimos reunir a galera das rádios e jornais de Videira para confraternizar. Agora só falta darmos o primeiro passo ao compremetimento, de nos encontrarmos periodicamente, para discutir o mercado, a profissão, as relações de trabalho, entre outras "cositas mas". Sonho? Sei lá, entende... O que sei é que quero Saideira/SC, hehehe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe