Pular para o conteúdo principal

PRÊT-À-PORTER

A doença do cotidiano

Estamos de “pronta entrega” nesta vida. Prêt-à-Porter! A modernidade, o cotidiano, a efemeridade está fazendo com que não percebamos a passagem dos tempos. Com isso, vivemos mais apressados, correndo no dia-a-dia, “matando um leão por dia”, como costumamos dizer.
Não temos mais tempo para os amigos, para a família, para os vizinhos (que mal sabemos quem são, muitas vezes). Não temos paciência com os colegas de trabalho, de faculdade, com os filhos... Nos relacionar de forma salutar, saudável é algo que a doença do cotidiano está minando, aos poucos. O bom dia já não sai mais com interesse de nossas bocas. Nossas mentes já estão ocupadas com nossas responsabilidades, prazos, idéias, justificativas, desde que acordamos, e muitos até dormem com esses pensamentos todos.
Já ouvi várias pessoas comentarem que ao dormir, sonham com o trabalho, têm idéias, às vezes até soluções de problemas para sugerir para a coordenação no outro dia. Nesses casos, ao acordarem, ao invés de beberem água, fazer a higiene, ou simplesmente abrirem os olhos para o dia, ficavam lembrando dos sonhos da noite, em busca de detalhes da boa idéia que poderia solucionar embates profissionais. Para muitos este tempo passou. Conseguiram outros meios produtivos e evolutivos de criação. Agora não sofrem mais da doença da pressa ou síndrome da pressa. Foi assim que seus terapeutas classificaram esta fase de suas vidas.
Esta síndrome ou
doença é psicológica, causada principalmente pelo ritmo frenético em que a sociedade moderna se submete nas zonas urbanas e no trabalho. A síndrome não tem reconhecimento médico nem psicológico factível, mas é estudada desde a década de 1980. O aumento excessivo de ansiedade é o principal fator que causa a síndrome da pressa.
Uma pesquisa feita pela International Stress Management Association, entidade internacional que estuda o estresse, aplicada em mil brasileiros economicamente ativos, revelou que 30% deles sofriam da "doença da pressa". Eles apresentavam sintomas físicos (hipertensão e problemas cardiovasculares), emocionais (angústia) e comportamentais (abuso do álcool).
O estudo aponta que só 8% dos entrevistados davam-se conta de que deveriam reduzir o ritmo de vida e estavam tomando ou já tinham tomado alguma providência para isso. Outros 13% achavam que deveriam ir mais devagar, mas não sabiam como fazê-lo. “A idéia de que quanto mais correr, melhor; é muito forte", analisa Ana Maria Rossi, presidente no Brasil da Isma.Enfim, há solução para os apressadinhos. Basta que eles estejam atentos a como se comportam durante a sua convivência social e profissional. Então é só parar, analisar e recomeçar de novo, com novo ritmo.
(by Elaine Barcellos de Araújo)
A Pressa Febril da Vida Moderna
A lentidão da nossa vida é tão grande que não nos consideramos velhos aos quarenta anos. A velocidade dos veículos retirou a velocidade às nossas almas. Vivemos muito devagar e é por isso que nos aborrecemos tão facilmente. A vida tornou-se para nós uma zona rural. Não trabalhamos o suficiente e fingimos trabalhar demasiado. Movemo-nos muito rapidamente de um ponto onde nada se faz para outro onde não há nada que fazer, e chamamos a isto a pressa febril da vida moderna. Não é a febre da pressa, mas sim a pressa da febre. A vida moderna é um lazer agitado, uma fuga ao movimento ordenado por meio da agitação.
Fernando Pessoa, in 'Heróstato'

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…