Pular para o conteúdo principal

Pílulas do (meu) Cotidiano

Sim, meu gosto musical, antes refinado, está perdido de vez. Já penso em comprar o CD da Ivete Sangalo e o DVD dos Inimigos do HP (mesmo que alternativo), acho simpática a guria do Babado Novo (acho que é deste grupo mesmo) e quero ir no show do Tradição, no VideiraFest.

Meu charme continua irresistível perante a terceira idade. E eles continuam aplicando o mesmo golpe pra cima de mim:
- Oi Fulana, tudo bem? Não tá me reconhecendo? Sou eu, o Ciclano. Ah, desculpa, tu é muito parecida com uma amiga minha, a Fulana... Será que eles não poderiam atualizar as cantadas? Assim ficaria menos chato...

Ah Silvitcha comprou um perfume novo, mas que já conhecia antes: o Linda Brasil. É bom demais... Não se preocupe Angélica, sou preta, mas sou limpinha, hehehe. Vou usar só em datas especiais, hehehe, mas, todo caso, dá uma passadinha na chave do banheiro.

Quando eu crescer quero ser igual a Idalina. Velha esperta esta e boa gente demais.

Esses dias eu cruzei com o Pompeu. Como sempre nos cumprimentamos. Mas já tinha me lembrado dele, pois agora ando pelas ruas sempre com um copo de água na mão. Fico até com medo que ele me peça um gole, hehe.

Um palhaço fez isto uma vez. Era um plano novo que a Pernambucanas estava lançando e o cara tava panfletando em frente a loja. Pôh, o cara atravessou a rua, veio sorrindo para mim, e eu, que adoro estes artistas, parei para ouvir a promoção.
Porra, tava um dia quente do cão, eu tava no terceiro copo de água que havia pego no Espaço Vip Perdigão, já meio quente e pela metade. Então ele veio, me explicou tudo e disse que não poderia participar porque tinhas restrições de crédito (hehe, estas são as palavras-chaves para se livrar dos promotores). Então veio o pedido: Posso tomar um golinho da tua água moça bonita? Putz, água não se nega nem a um cachorro sarnento, quem diria a um palhaço trabalhador, mesmo que estivesse com suas máscara já derretendo de tanto sol que tomou no cabeção...
Pois então, eu alcancei o copo, e ele tomou dois míseros goles e me devolveu o copinho, todo babado e multicolorido... Que merda... Subi a escadaria com sede, calor e com meio copo d’água quente, e colorido, na mão direita.

Ah, continuo adorando sair para fazer minhas pautas. Mesmo caminhando quilômetros e devorando muita comida quando chego em casa, nada melhor do que ver e conversar com as pessoas. Perceber os ambientes, as atitudes. É cansativo ficar descendo de manhã, à tarde e, às vezes, à noite também, mas é o contraponto são as relações interpessoais. Eta vidão! (Mas vê se não abusa ervilha...)

Estou proibida de dar festinha aqui em casa. Segundo denominou o Nandiko, “Festa de Negão” parece não ser “cult” aqui na cidade dos gringos, hehe. Tudo bem que eu sou uma péssima organizadora, que convidei para um churras, que não tinha carne e o carvão acabou antes do esperado. Mas na minha terra ninguém se importa com a comida, desde que se tenha bebida... Ah, e tinha. Sobrou canha, coca-cola e duas latinhas de cerveja. O problema é que eu não fiquei com vergonha nenhuma e por mim já tinha dado outra nesta segunda-feira, 30. Je suis desolè...

Nunca tinha comentado minhas aventuras sexuais para vocês, e não comentar agora também, mas a última foi demais... Escapei de um chimbinha aproveitador na minha vida por pouco. A sorte é que “atirei avaianas de pau” nele, hehehe.


Sei que já disse isso antes, mas desta vez acho que vou acatar minha própria decisão: vou me aposentar e apostar tudo no sexo tântrico e solitário, ou melhor, vou voltar para a Yôga. Tenho encontrado a Cecília direto pelo Centro. Isso só pode ser um sinal...

Comentários

Anônimo disse…
ios que a "veiarada" foi o chimbinha.... a fotinho do original até que dá pra engolir..rsrsr
Com relação ao perfume..tu não percebeu que eu disse que foi o vento que fechou a porta???rsrs
Anônimo disse…
Quis dizer PIOR que a veiarada...

Com relação churras...tá proibida mesmo... porque só quis saber de ficar dançando a dança dos famosos como o João Vieira e eu que tive que meter mandioca e arroz nos convidados... é pácábá
Hehehe. Não posso nem ter liberdade de expressão mais...

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe