Pular para o conteúdo principal

Curtas da terça-feira

Fui entrevistar a Dona Fifi hoje, para alegria dela e minha tristeza. Não queria ter contato com a vizinha mais faladeira da cidade, mas, são "ossos" do ofício, hehehe. Pena que ela não serviu para ser minha fonte. Em compensação, detenho a informação de que ela me acha linda, hahahaha. Agora mesmo que vou chegar mais perto da janela quando vier do banheiro... pelada, já que ela gosta de ver a coisa preta mesmo, hehehe.
------
Encontrei minha amiga Valéria hoje. Foi bem legal revê-la, mesmo que rapidamente. Só faltou sentarmos no banco da praça para fumarmos e jogarmos conversa fora. Mas temos tempo ainda, se a Jana deixar, claro, hehehe.
------
Ir as compras no "melhor" mercado da cidade sempre me emociona, hehehe. Por mais que eu odeie fazer compras, já que nunca trago nada de útil.

------
Alegria de pobre não dura pouco, dura quase nada... Comprei um garrafão de vinho, da melhor "qualidade". Abri para desgustar a bebida de Baco, mas ao guardar o recipiente, se foi o líquido precioso.

------
Ah, agora entendo o que o Chuchu sentiu no final da feijuca... Sniff Sniff. O único problema foi ter que limpar tudo depois, putz!

------
A cada dia que passa, tenho conhecimento de que nada sei, salvo minhas convicções sobre o que me é incerto. Vá entender isso...
------
Hehehe, só rindo mesmo. Uma coisa sim, sei dizer: eu sou a gostosona dos bodegueiros e mercadistas, hahaha. Adicionei mais um na minha lista de "disponíveis". Pode crer, fome a nêga e a loira não passam, hahaha.
------
Continuo adorando sair para fazer as entrevistas. A cada semana, mais alegrias meu trabalho de repórter me traz. Oh maravilha!
------
Tenho uma nova leitora deste espaço. É uma orkutiana. Fazemos parte da mesma comunidade, que, claro, é sobre blogs e flogs. Ela é muito meiga. Passem lá no blog dela também para prestigiarem os sentimentos e sensações da rapariga - http://celle.manhaes.zip.net
------
Só para variar, meus sentimentos estão latentes. Como canta o Zeca Baleiro, "eu ando tão a flor da pele, que até beijo de novela me faz chorar".
------
Hoje descobri que não sou a única mulher fã da Revista UM. Se demorasse mais um pouco com o impresso nas mãos, acho que a louca ia chibatear. Mal levantei da cadeira e ela já estendeu a mão para pegar a revista. Foi simpática, mas...

------
A doida que mora comigo comprou duas camisetas para a tradicional feijoada da Escola de Pais de Videira. Que legal! Legal porra nenhuma, hehehe. R$ 50tão por dois pratos de feijoada... É pácábá. Só de raiva vou comer feijoada até sair pelos buraquinhos. Será que dá para parcelar as entradas??? (em 10x de R$5, é claro...) Mas vou perdoar a "Docinho", o blonder que ela tá usando é forte demais, muita amônia nos neurônios dela...
------
Em tempo, recomeçaram as ligações "confidênciais" de novo para o meu celular. Queria saber porque esse "povo" insisti em ficar no meu pé, que nem chulé? Isso é o fim da picada!

Comentários

Betty Boop disse…
Putz! Até em videira tem uma "Jana" no teu pé? Será que ela enche tanto o teu saco como eu.
Mas aposto que ela não deixou vc dormir na cama dela como eu deixei, e o que é pior, eu não estava "em casa"

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Escrita Criativa e Afetiva? Temos!

Sim! Temos novidade Rosa Carvão. E se você é de Porto Alegre, ou região metropolitana, e quer aperfeiçoar a tua comunicação escrita, este post é para ti.

Devido a acontecimentos tristes nos últimos tempos, percebemos que a humanidade anda carente de bons sentimentos. Então, decidimos espalhar amor por meio do que sabemos fazer de melhor: nossas profissões! Por que não distribuir energia positiva nas nossas relações de trabalho e pessoais, por meio das palavras (sem precisar ser um escritor profissional)? E sim. É possível!

Então organizamos o curso Escrita Criativa e Afetiva, que desenvolve a sua habilidade de escrever com afetuosidade, agregando valor à sua comunicação, estabelecendo empatia e, até, gerando engajamento das pessoas no seu projeto de vida ou profissional.

Venha aprimorar seu texto por meio de exercícios que estimulam sua criatividade, dos conhecimentos fundamentais da escrita e da produção. E prepare-se para ser introduzido a uma gama de formatos e possibilidades de l…

Eu choro

Sou temporã. Nasci dez anos depois da primogênita. E nove, depois do filho do meio. Vim quando ninguém esperava, e cá estou. A filha caçula da Maria e do José. Meu pai torcia para que nascesse no seu aniversário – 11 de setembro. Mas sou temporã nos dois sentidos da palavra. Na minha família sou a única que não veio ao mundo pelas mãos de uma parteira. Ufa! A moderninha. Confesso: gosto da ideia de romper paradigmas, mesmo que de pequeno porte. Também fui a única a participar de atividades do movimento estudantil durante o ensino médio e a cursar uma faculdade. Ah, mas o meu orgulho em casa foi ter sido a precursora em verbalizar o Eu Te Amo. Demorou, mas saiu. E depois do primeiro, banalizei. Espraiei. 

Mas de volta ao meu nascimento... Rompi à vida em silêncio. De madrugada. Meu Paiaço adorava contar este momento: “Tu não queria chorar, então, o médico deu um tapinha na tua bunda para que chorasse, para ver se estava tudo bem. E tu abriu o berreiro”.  Crendice ou ciência da época, eu n…