Pular para o conteúdo principal

Páginas, descoladas, da vida de Dani Müller


Capital
O segredo da felicidade
A minha capital (8)

DANIELA HELENA MÜLLER/ Psicóloga, moradora de Porto Alegre


A psicóloga Daniela Helena Müller, 32 anos, não é judia, mas foi uma sinagoga de Porto Alegre que ela escolheu para evocar no concurso cultural A Minha Capital, patrocinado pela TIM.


Selecionado entre centenas e o oitavo de uma série de 10 que serão publicados até o aniversário de 235 anos da cidade (segunda-feira), o texto de Daniela relata um episódio do final da adolescência que colocou o templo da União Israelita no centro da sua geografia afetiva.


- A sinagoga representa para mim a lembrança do primeiro amor, um sentimento universal, sempre puro e intenso. Ela marcou minha vida porque vivenciei lá uma grande manifestação de afeto. Foi uma descoberta - ressalta.


Esse momento foi compartilhado com um namorado, judeu. Ele e Daniela acertaram uma data e um horário para ingressar na sinagoga e, sem que ninguém percebesse, celebrar um casamento simbólico no templo vazio. O ritual contou até com uma certidão de casamento, feita no computador pelo rapaz e assinada pelos dois.


- Desde então, nunca mais entrei na sinagoga, mas ela é importante para mim - conta Daniela.


Abriram um enorme portão de ferro, muitas escadas pela frente... Foi a primeira vez que eu estive em uma sinagoga, muitos sentimentos se misturavam dentro de mim.


Nós iríamos realizar um casamento de mentira, uma brincadeira de criança em dois corações adolescentes.


Quando nós chegamos lá em cima, ele colocou o quipá e nos dirigimos ao altar.


Amor, afeto, respeito, amizade, cumplicidade e uma enorme alegria habitavam em nós, seríamos as únicas testemunhas de nossa união, a falsa cerimônia serviria para mostrar um ao outro o quanto nos amávamos, ao contrário dos casamentos tradicionais onde duas pessoas se unem diante de uma grande platéia.


Assinamos nossa certidão de casamento, ele quebrou o cálice, um beijo rápido encerrou a cerimônia.


Hoje esse acontecimento faz parte do passado, mas mostrou que a vida é realmente uma caixinha de surpresas...


- Onde está a verdadeira felicidade?


Pode estar na beleza do pôr-do-sol do Guaíba, ou nos gritos da torcida Gre-Nal, pode estar no colorido do Brique da Redenção, ou no sorriso das crianças no Parcão...


Também pode estar na lembrança de um falso casamento realizado às pressas na sinagoga de Porto Alegre, falso de acordo com as leis dos homens, porém verdadeiro em nossos corações...


O segredo da felicidade pode estar em possuir olhos na alma, para saber enxergar as belezas que a vida nos mostra...
____
Essa figura estranha é minha amiga e passou o reveillon lá em casa... Mais alias, hehehe, já que o primeiro foi na praia (Cidreira Beat). Quero ver, se for para Marte, se ela vai aparecer por lá também, hehehe. Ai direi que é de fé...
O texto foi retirado do site Clic RBS. Eu perdi o endereço, então, se quiser ver os outros nove textos, entra lá e procura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe