Pular para o conteúdo principal

Dia 7 de abril

Dia do Jornalista

Numa dessas manhãs, um repórter me ligou para fazer alguns questionamentos sobre o Dia do Jornalista (comemorado neste dia 7 de abril), não sei se fui muito claro nas minhas declarações, até porque ele me pegou de surpresa, uma vez que não estava acostumado a ser o outro lado da história, ou seja, o entrevistado. Há mais de 15 anos atuando como repórter, nas mais diversas editorias, me senti como aquela pessoa que pela primeira vez vai dar uma entrevista na rádio, na televisão ou até mesmo para um jornal, quando apesar de dominar o assunto não consegue expressar sua melhor opinião.


Depois disso passei a refletir sobre os fatos e compreendi ainda mais o significado do ser jornalista. Entendo que esta profissão, apesar de sofrer os mais diversos ataques, no que diz respeito ao exercício legal, ou seja, de sua regulamentação, é e sempre será a única profissão capaz de entender e saber ouvir o anseio de todos. O jornalista nada mais é que um contador de histórias, que busca transmitir ao seu leitor, ouvinte ou telespectador o retrato fiel dos acontecimentos. No exercício de sua profissão, ele é os olhos e ouvidos de milhares de pessoas.


Acima de seus interesses pessoais, o jornalista deve respeitar a ética profissional e agir dentro da moralidade. Sempre digo que ser jornalista é se especializar em generalidades, uma vez que procura saber um pouquinho de tudo. Talvez esse seja o preço que pagamos, porque hoje muitas pessoas se acham no direito de intitular-se jornalistas. Querer ser ou até mesmo se apresentar como tal não faz dessa pessoa um profissional habilitado ao cargo. O ser jornalista, nas mais diversas linguagens e nos mais variados suportes técnicos da Comunicação, com suas atividades de produção e divulgação de informações, é uma forma de conhecimento ao mesmo tempo particular e universal, que exige, por conseqüencia, habilidade e competência específicas.


Se a partir de agora me volto para defender os direitos da categoria, estou do outro lado da trincheira, e nesse sentido, ao invés de repórter, me torno fonte, só que ao contrário dos meus 15 anos de reportagens terei de estar atento para saber dar o recado ao profissional que irá querer contar a melhor história. Neste Dia do Jornalista, parabenizo todos os colegas que fazem da profissão uma forma de luta pela liberdade e pela preservação dos direitos. Vamos continuar lutando para dar a melhor manchete do dia, mas não nos esqueçamos que em primeiro lugar somos seres humanos, e como todos, estamos sujeitos a cometer erros. Se isso ocorrer, que ele possa ser corrigido da forma mais digna e ética possível, sempre respeitando os direitos dos outros. Ser jornalista é ser cidadão de fato.

* José Nunes
Presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe