Pular para o conteúdo principal

Curtas dos últimos dias

Quinta-feira

Laranja - Começou bem, se desenvolveu mal e terminou laranja. Imagine: véspera de feriado, sem passagem para qualquer lugar, solita no mas e triste. O que poderia dar? Fui laranja e voltei bagaço! Foi divertido até.
---
Ervilha - Nossa! Parece que até tava advinhando... Companhia excelente, divertida e inteligente. Mudou parte dos acontecimentos do dia. Surpresa agradabilíssima. Un bisou mon cher.
---
Gulas - Sem noção...

Sexta-feira

Feriado - O que estava marcado como um dia triste e solitário se modificou. Manhã de lágrimas confortadas pela presença da Rô, que salvou o dia com sua atenção e companhia descompromissada. O tatuador também fez a diferença. Santo feriado!
---
Viagem - Tudo tranqüilo, como a tempos não acontecia, durante a viagem à Porto Alegre. Tive tempo para refletir e concluir pensamentos significantes. Foi o momento de renovação se antecipando, junto a palavras escritas no meu livro de memórias.
---
Frio - Velha parada para o lanche em Vila Assis. Desci de porte do meu casaquinho, já antecipando o frio. Uma guria, despreparada (muito estive assim) comentou sobre o frio e eu disse que isto era normal naquele ponto, tanto no inverno quanto no verão.
- Então tu estás acostumada? Sorri para ela, pensando: nunca se acostuma com uma viagem destas, seja qual for as circunstâncias...

Sábado

Quase em casa - Acho que perdi meu espaço de vez, hehehe. Quando não se tem mais as chaves de casa, é sinal que tudo está mudando... rapidamente! Dez minutos em frente de casa apertando no interfone, várias vezes!!! Lá se foram vários reais numa ligação interurbana para pedir passagem.
---
Brother - Meu irmão veio me atender, levou minha mala e conversou. Mamãe como sempre se levantou e veio me receber, carinhosamente, como faz sempre. Foi então que vi um brilho estranho na orelha esquerda do Big Brother. Sim, era um brinco, hehehehe. Cai na risada! Ele disse que agora era Bad Boy e se o Andrews tinha, uma bem maior que o dele, ele também poderia ter.
- Mas o Andrews tem 14 anos e não 40! Coisas que nem os Araújos conseguem entender o que fazem.
---
Tatuagem - Minha mãe disse que exagerei, meu irmão comentou que nem deveria ter falado nada do "piercing" dele e meu pai só me olhava, durante os três dias de estada em casa. Tipo assim: o que será que tá acontecendo com essa família...
---
Bongô - Dilícia!!!! Depois de um ano sem, matei a saudade de samba-rock. Dancei até me acabar. Doce companhia a da Lê (lembre-se, seu codinome é Docinho, das Meninas Superpoderosas) e da MMs. Sábado Laranja também.
---
Pérolas - Entre várias da noite, consigo me lembrar de uma que a Docinho comentou: "com tanta gente querendo sair do armário, sofrendo por isso, eu, que até estou disposta, não consigo". Mais ou menos este foi o comentário em relação a falta de produto masculino no mercado.

Domingo

Páscoa - Domingo agradável em família. De carinhos, comilança, beberagem, de chocolates e harmonia. Agora entendo o que o meu astrólogo quis dizer quando disse que a minha família era meu porto.
---
Amor - Ainda não saiu do peito e dos meus pensamentos, parece até mais forte agora, mas resignado com sua condição solitária.

Segunda

Perambulando - Dia de por as caras pra fora. Ir bater perna no centro da cidade, comprar mantimentos, passagem de volta para casa, de comer o tradicional cachorro-quente do Bigode.
_________________
assim foi meu feriadão. parece até banal, mas digo que foi revelador para mim mesma. agora estou pronta para por as mãos na massa, com tudo dentro, inclusive eu mesma. quer saber os detalhes? só meu livro de memórias sabe e alguns amigos...

Comentários

Anônimo disse…
bah nenê, tu veio na terrinha e nem me avisou!! Magoei :(
Barbara
PS: essa é minha quinta tentativa de deixar um post no teu blog!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe