Pular para o conteúdo principal

Furtado do Periférico



21.3.07

Crônica de um homem louco
O que fazer quando tudo começa a dar errado na sua vida? Tem gente que se mata enquanto outros enlouquecem. E apesar de eu jamais pensar na primeira alternativa sou capaz de entender certos indivíduos que metem uma bala nos cornos quando as coisas não vão bem.


Mas o que fazer, torno a perguntar. Talvez esperar a nuvem passar, não sei.

O fato é que normalmente a vida é boa e a gente é que a complica. Eu, por exemplo, tenho motivos de sobra para comemorar. Mas sabe quando várias pequenas coisinhas não funcionam? É como se alguém lá em cima estivesse manipulando as cordinhas pra que a vida ficasse ainda mais quadrada. Você sai na rua, começa a chover e quando volta pra casa a chuva passa. Do nada lhe aparecem verrugas na sola do pé de modo que fazem você mancar feito um besta. Você chega cansado do trabalho e vai apertar o botão do elevador e segundos antes ele foge para o último andar. A empresa diz que durante dois anos você não verá a cor do seu dinheiro, que a coisa tá difícil (oh, really!). Sem contar que tem sempre algum esperto querendo tirar de você mais dinheiro do que você deve. Tudo dá errado. Todas as coisas boas que poderiam lhe acontecer acabam se desencontrando e gerando caos.

De repente, num belo dia chuvoso, a moça da imobiliária liga dizendo que eu tenho 4 anos de IPTU atrasado para pagar. Tudo porque houve um erro no sistema da prefeitura.

- Tá, mas... isso aconteceu com várias pessoas, né...

(...)

- O quê? SÓ COMIGO?

Comecei a rir em voz alta. Olhei para a minha colega do lado que não entendia nada. E eu ria e ria até me faltar fôlego. Dava gargalhadas sem fim. Dos outros setores dava pra ver as cabeças surgindo por detrás das divisórias pra saber quem ria de modo tão... "desesperado".

Foi quando peguei um taco de beisebol e comecei a quebrar tudo. Desde o telefone, o computador do chefe até a mesa do cafezinho. E quando ameacei quebrar a jarra de café, meia-dúzia de colegas saltou para cima de mim a fim evitar tamanha catástrofe. Lembro de alguém dizer: - o café, não. E em seguida tudo ficou escuro.

Acordei vestido com uma jaqueta branca, com os braços amarrados para trás e sozinho numa sala com paredes almofadadas e um espelho. O lugar é bem tranqüilo, aliás, e eles dão uns comprimidinhos bem bacanas.

Mas a jaqueta eu não recomendo. Ela faz você ouvir vozes.
____
Furtei sem culpa nenhuma. O texto é bom. Está bem construído, os diálogos e as idéias aplicadas de forma verossímel. Aliás, o EV é bem criterioso quando escreve e deve ser ainda mais antes de publicar. Não me lembro de ver erros de digitação ou concordância. Parabéns relaxado, gosto de ir passear pelo periférico. É divertido e agradável. Sempre.

Ah, a ilustração é por minha conta. Hehehehe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.