Pular para o conteúdo principal

Família tenta viver um ano sem papel higiênico

Um ano sem usar papel higiênico, televisão, elevador ou carro. Essas são algumas das regras do experimento No Impact Man que está realizado por uma família nova-iorquina.
O desafio é, durante um período de 12 meses, desenvolver um estilo de vida que cause o menor impacto possível no meio ambiente.
"Nossa abordagem será pesquisar nossas opções ecológicas e acabar com os nossos danos em cada área: lixo sólido, transporte, energia, por exemplo", escreveu em seu blog Colin Beaven, 43 anos.
"Esperar por senadores e empresários para que mudem a forma com que tratamos o mundo está demorando muito", acrescentou Beaven.
"Não posso agüentar meu lado liberal ficar sentado sem fazer nada. A questão é: como seria se eu assumisse a situação (ou pelo menos uma pequena parte dela) com as minhas próprias mãos?".
No blog, Beaven, um escritor, relata o dia-a-dia da família. A sua esposa, Michelle Conlin, 39 anos, a filha, Isabella, 2 anos, e até o cachorro Frankie embarcaram juntos no experimento iniciado em novembro de 2006.
Etapas A iniciativa é formada por três etapas para limitar o consumo de produtos e diminuir a produção de lixo. Na primeira etapa, a família tem que aprender a viver sem produzir lixo. São proibidos produtos descartáveis ou qualquer tipo de embrulho. No banheiro, nada de papel higiênico. Usa-se água.
Na segunda fase, eles precisam diminuir o impacto ambiental causado pelos alimentos escolhidos. É dada preferência à comida produzida localmente. Ficam de fora os produtos importados ou que tenham sido transportados de outras regiões do país.
E, por último, reduzir o consumo para o mínimo necessário e de forma sustentável. Para evitar as emissões de dióxido de carbono, o casal fica longe de carros ou do metrô. Caminham ou usam um patinete.
No prédio onde moram, utilizam apenas a escada. Com mais exercício físico, o casal já perdeu uns quilinhos. Segundo o relato de Beaven em seu blog, o impacto não tem sido apenas no meio ambiente, mas, também, na relação familiar: "Sem TV, acabamos brincando mais com a Isabella, lendo mais, conversando mais e fazendo mais, bem, você sabe".
Ele reconhece um "pecado", no entanto. A família pretende lucrar com o experimento. Em 2009, serão lançados um livro e um documentário para a televisão.
BBC Brasil
____
No Brasil, tem centenas de famílias que vivem sem comida, sem casa, sem carro, inclusive sem dinheiro... Eles só não têm blog para relatarem suas experiências (porque não têem computador, internet e muitas vezes nem energia elétrica) e muito menos pensam em lançar livro. Mas documentários já fizeram vários sobre a realidade brasileira, mas sob outra ênfase...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.