Pular para o conteúdo principal

Curtas dos últimos (vários) dias



Então, a luz no final do túnel começa a brilhar, distante, mas tá chegando, hehehehe. Depois de uma semana turbulenta, com ataques de angina, edema pulmonar e uma cirurgia para duas pontes de mamárias (o josé não tem mais a safena), meu pai está melhor. E notícia fresca! Ele foi para o quarto hoje de manhã e já está tumultuando a galera toda.


-----

A merda é que estou com uma gripe forte, que assolou esse corpo lindo que tenho (coisa rara), e não vou visitá-lo desde quarta-feira, quando se operou. Isso é ruim, me deixou com uma sensação de inutilidade, de impotência muito grande, mas agora está tudo bem, espero eu. Afinal, já foram duas batalhas vencidadas: a cirurgia e o pós operatório. Viva!!!

-----

Estar em casa com a família, mesmo por questões de saúde, é muito bom. A família Araújo é muito divertida. Diria até que é quase como a família Dinossauro, hehehe. Tudo isso aliada a família Barcellos (da minha mãe) a coisa fica ainda mais engraçada, embora este seja o lado sensato e coerente da junção.

-----

Havia esquecido o que é andar pelas ruas de Porto Alegre, durante à noite. Especialmente pela Cidade Baixa. Uma delícia completamente comum a uma metrópole com perfil provinciano, se é que vocês me entendem. Não há dias e nem noites de chuva; as pessoas saem igual, sem medo de se molharem ou serem felizes.


-----

Alguns restaurantes da cidade ampliaram seus espaços, outros se mantiveram como antes e novos surgiram, enquanto outros fecharam para dar espaço a nova tendência festiva do bairro, como a Azul Cobalto, que para mim era um pub completamente depressivo e chato e que agora abriga um outro bar com aspecto atrativo, convidativo. Ah, não pergunte o nome, não enxerguei sem os óculos, sob a chuva e do outro lado da rua.


-----

Caminhando pelas ruas percebi, contente, que aqui sou uma gorda linda, aliás, sou mais uma gorda linda e feliz; gorda linda, feliz, imperceptível para uns e perceptível para outros. Uma gorda linda, feliz, impercetíel para uns, perceptível para outros e comum. Às vezes ser comum é algo agradável. Cansa ser o centro das atenções.


-----


O Peterson tem sido um ser receptivo, carinhoso, atencioso e interessante. Descobri este final de semana que temos muitas coisas em comum. Ah, ele tem boa memória, é sensato, inteligente e sexy, que nem eu também, hehehe (com exceção da boa memória, é claro, talvez a sensatez também, o resto somos parecidos).
-----
Oh, tinha várias idéias e percepções, mas agora elas já voaram entre outros pensamentos...

Comentários

Yuri disse…
oi, minha preta, desejo melhoras pro teu pai! Grande abraço do Yuri!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe