Pular para o conteúdo principal

Televisão

Todo mundo sabe que eu odeio assistir tevê. Pelo menos os canais abertos. No RS eu assistia a TVE e a MTV, além dos canais da Net Alternativa que têm lá em casa. Isso sim era delícia. Para melhorar só faltava ter acesso aos canais pornô. Hehehe. É, mulher também gosta, oras.

Aqui no meio-oeste só entra sinal das emissoras com parabólica. MTV e uma emissora de televisão educativa acho que é luxo, pois deve estar incluída no pacote da Sky ou Directv. Bom, não sei, não entendo isso. É desse jeito que querem um povo mais culto. Ta certo que MTV não dá para dizer que seja uma emissora educativa, mas é cult, hehehe. É um bom entretenimento.

Bom, na verdade, o que sei é que não gosto de assistir tevê e mantenho o hábito aqui em Videira. Mesmo assim trouxe a minha Targa (tevê do paragua que tem 10” ou 8” de tela. Uma loucura, hehehe) para que a Silvia não precisasse levar a dela, que é de 20” toda vez que quisesse assistir televisão na cozinha. Não deu certo. O sinal é ruim. Isto significa que ou temos imagem ou som. Não para ter os dois lá em casa.

Um belo dia a minha tevê foi expulsa da cozinha, porque tinha convidados (que n eram meus, é claro, pq os meus são bagaceiros, hehehe, e n iam se importar de ver a Targa no balcão da cozinha). E desde então ela nunca mais saiu de lá. No domingo de manhã gostava de assistir aos enlatados americanos (sim, eu não sou perfeito e caio em contradição muitas vezes. Gosto de assistir ao Superman e O.C.). Então liguei a Targa, coloquei-a sobre a cama e pronto! Sinal perfeito. Não sai do quarto antes da uma da tarde naquele dia. Depois disso nunca mais assisti nada nela.

Mas ontem foi diferente. Eu estava querendo assistir ao especial sobre o Tom, o poeta escrevia amor. Queria ver e ouvir amores, todos aqueles que viveu e imortalizou em suas músicas e poemas. Queria recordar o grande artista que foi Tom Jobim e até conhecer um pouco mais.

Então me preparei. Fui para cama cedo. Peguei a Targa com carinho e fiz todo o ritual da última vez, como um culto. Coloquei-a sobre a minha cama, em cima de uma almofada, para ficar alta e confortável no seu pedestal. No lado direito da cama, como gosta. Liguei-a e comecei a sintonizar a Globo (pela manhã queria ter assistido aos seriados, mas não consegui sintonizar e dormi com a narração de Galvão Bueno sobre o ciclismo. Tava com uma imagem linda ela, mas o SBT ela boicotou). Nada. Mudei a freqüência e nada. Achei então a Glória e o Zeca, mas então a chiadeira era ensurdecedora. E quando tinha som não havia imagem: ou seja, uma radionovela.

Os companheiros do fundo do corredor,com sua tevê de 20” polegadas, estavam se preparando para ver o BBB7, enquanto eu mal e porcamente conseguia ouvir o Bem Harper encerrando a revista eletrônica dominical (que é chato pá dedéu). Então veio o Bial e a Targa ainda reinando... Foi quando percebi que não veria o Tom...

Deixei a Targa ali, do lado direito da cama, sintonizada na Rádio Verde Vale e fui para os braços de Morfeu. “Desafinada”.

Comentários

kinjie2004 disse…
Very good article,I prepared a very good gift for you, please visit my blog, The best browser fo you in History

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe