Pular para o conteúdo principal

Curtas do Natal

1. Depois de uma semana intensa de trabalho, tirei a sexta-feira de folga e fui viajar para POA na quinta-feira, 21. Cansada, mas sabendo que o destino era o Elo Perdido.

2. A viagem foi insólita. Um gringo magro, que já estava no ônibus (não deu para saber se embarcou em Caçador ou em Videira, porque sempre chego atrasada mesmo), decidiu dormir desde a saída da cidade até a capital do RS, dormindo atravessado, feito feto em barriga de mãe.

3. Ele acabou com o pouco conforto que se pode ter nesta viagem. Nem cotoveladas adiantou. Morte aos magros espaçosos viajantes.

4. Cheguei em Porto Alegre e foi tudo uma delícia, desde a entrada no táxi até o retorno na segunda 25.

5. É claro que tive que encarar o centrão no dia 22 e 23 de dezembro, cruzando as ruas apinhadas de gente, ziguezagueando entre ambulantes e pessoas com mais sacolas do que eu.

6. Sim, eu tomei milk shake de Ovo Maltine do Bob's.

7. Não, não deu tempo de ir ao cinema e nem de comer o cachorro quente do bigode, na Galeria do Rosário.

8. Sim, me encontrei com a galera do coléginho e foi tudo uma dilícia de bom. Bem melhor do que já imaginava que seria. Quero mais!!!! Pena que estava esgotada já.

9. Achei o presente do Krust, que para meu gosto está desprezando por demais. Acho que realmente vou dar para o lixeiro.

10. Vi, conversei, bebi com a minha amiga Rê.

11. Convivi com a família e ainda fiz churras com meu irmão.

12. Desfalquei a família no boteco da esquina e trouxe de tudo na sacola das compras.

13. Minha família me ama e eu amo eles.

14. Comprei os presentinhos dos amigos do cotidiano: Riva e Silvia.

15. Hummm, meu quarto já não me pertence mais. Agora ele tem outro dono: Jarbas. Até a Brigite Bardot já sacou isso.

16. Estava tão cansada dos dias intensos e das noitadas com amigos, que dormi logo após a ceia de Natal, esperando os presentes que Papai Noel trouxe para todos.

17. O maior barato foi ver o meu pai, na tarde do dia 24, vasculhando os nomes nos pacotes e contabilizando os que tinham o dele. Ah, e tentando advinhar o conteúdo. O que mais lhe interessou, é claro, foi o uísque. Ele deixou de cantinho todos os pacotes com seu nome. Mas o vencedor foi o meu irmão. Que palhaçada!!!

18. Enfim, também voltei recheada de blusinhas de mamãe, chocolates das tias, ceva, e de promessas, hehehehe.

19. Voltei bem feliz para Videira, pensando em enfrentar a viagem de reveillon para curtir a família e os amigos de novo, mas a grana tava curta, o corpo cansado e a mente vazia. Então, fiquei recepcionando 2007 em minha primeira casa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.