Pular para o conteúdo principal

Curtas do final de semana

Final de Tarde
Passada tradicional na locadora. Conversinhas com Hothon no Shopping, sempre agradável. Conversinhas com o povo da Mimos (uma boníssima idéia) e um cigarrinho na Praça - (boa distração e diversão em cidade pequena).

Final de Tarde II
Não precisava ter visto a passagem “alegre” do Krust com o seu “passado mais que presente”. Cena completamente desnecessária para o meu domingo. Mas, c’est la vie. É assim que se aprende.

Uma luz no fim do túnel
Conversar com as pessoas sempre é útil. Oportunidades surgem quando se fala para as pessoas dos interesses profissionais. Vou começar a me agilizar.

Praça
Hehehehe. Realmente, se gostasse de coroas, tava feita na vida. Nem precisaria piscar o olho, era só estender a mão. Talvez deva começar a fazer isso e derrubar o preconceito com os bolas (talvez, nem tanto assim) cansadas.

Praça II
O vechio era charmosão...

O Rappa
“...eu sou guerreira, trabalhadora, de todo dia e vou encarar com fé (em Deus) e na minha batalha espero estar bem longe quando tudo isso passar...”

Praia
Sonho com minha semana de férias (bem merecida) a beira de alguma praia da ilha, sob um guarda-sol, com uma caipa numa mão e um picolé na outra, vendo a homarada passar com suas sunguinhas a modelar o corpitcho.

Sinais
Se quiser partir para outros, tenho que começar a aceita-los. Os sinais estão aí, aos montes. Só falta eu querer mudar meu objeto de desejo, do singular obtuso para o plural transversal.

Pescadora de Ilusões
Às vezes, me surpreendo olhando para o celular, na esperança de que toque... e de que seja um contato agradável, afável, carinhoso. Um dia eu paro de fantasiar, de novo.

Família
Eu amo minha família, cada vez mais, a cada dia que passa e tenho certeza da recíproca. Não poderia ter escolhido melhor, hehehehe. Vai ser um final de ano diferente, de pura emoção sincera e translúcida.

Amigos Videirenses ou adjacentes
Eu amo, cada vez mais, a cada dia que passa, meus novos (já nem tanto agora) amigos. Por eles faria das tripas, coração. Para eles dedico “meus pensamentos, minha boca e meu coração”.


Queria poder presentear todos eles, com muito carinho, com algo que represente toda a minha gratidão por terem me acolhido, me aceitado, me estendido a mão sem nada pedirem em troca. Não tenho palavras para agradecer o apoio ou simplesmente a atenção e o carinho dispensado.

Mais uma vez peço a Deus que possa, em toda a sua plenitude, estender seu manto branco sobre todos estes anjos que aqui me cercam.

Grilo
Um passarinho escolheu o quarto da Silvia como lar no sábado. Um grilo escolheu o meu no domingo. Ai que raiva... É ensurdecedor o cricrilar dele. Se tiver coragem vou caçá-lo.

segunda-feira
Um novo dia é sempre um novo dia.

Silvia Letícia
Tenho saudades dela. Depois do que passei este ano - e do que ainda estou passando - compreendo seu surto. A diferença entre as descargas elétricas sentimentais que nos assolou, é que ela surtou comigo, e eu surtei com ele - meu objeto de desejo.

Acho que tá na hora de perdoar toda essa bobagem ou incluí-la nas minhas preces do mês. Mas, pelo sim ou pelo não, fico feliz com sua expressão alegre que sua foto na home do orkut demonstra.

Comentários

Barbara disse…
oi nenê, o que rolou com a Silvia Leticia? É a daqui de Porto?
bjka

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe