Pular para o conteúdo principal

Meu sábado

Bom, tenho que fazer dois trabalhos, atrasados, da pós. Um sobre responsabilidade social e outro sobre comunicação interna. Mas, para adiar mais um pouco nada melhor do que vadiar na internet, como estar aqui com vcs, MSN, email, e notícias inúteis, do tipo, "como manter o bronzeado no inverno (como se precisasse disso, hehehe). Enfim, qualquer motivo é motivo para me distrair da minha futura vida profissional de especialista em comunicação empresarial. Portanto, vou agora contar como foi meu sábado (isso é realmente muiiiiito importante, hehehe).

Pois bem, acordei às 00:46, faminta!!!! Esse é o mal de quem não janta por que a fome abandona o corpo ou a preguiça. O que a gorda fez? Levantou, com um olho aberto e outro fechado, pensou em se vestir para ir até o Big Pastel fazer um lanchinho básico, mas a mente a levou somente até o armário da cozinha para comer torradas com requeijão. Depois de se empanturrar com esta comidinha, pegou dois quadradinhos de chocolate, enfiou na boca e voltou para a cama, ainda os mastigando, e voltou a dormir.

A segunda acordada foi às 6h30. Como ninguém merece levantar tão cedo no sábado, depois de uma semana de labuta, fechei os olhinhos para acordar cerca de uma hora depois. Liguei a tevê (sim, eu dormi na cama da Silvitcha, pois queria ver a novela Páginas da Vida, mas n consegui sintonizar a emissora, então coloquei na Band) e o que vejo? Um pastor dizendo qq coisa que me fez desligar a tevê correndo e cair no sono profundo até às 10h e pouquinho. Aí sim, fiquei contente e levantei. Até porque o Big Boss iria passar às 11h45 para me pegar e levar-me numa pautinha política.

Então levantei, fui para cozinha para a segunda comilança do dia, já que o almoço seria chalalá demagogo, fui para a sacada me distrair e fumar o cigarrinho matutino, depois fui tomar banho, já atrasada. Foi quando ouvi o celular tocar e pensei, "o velho está descendo". Então liguei, já lá embaixo, qdo ele me disse que iria demorar um pouco, talvez às 13 horas. foi pah acabar, pensei, de novo: vou perder o almoço da Heid, hehehe (aos sábados eu e a silvitcha vamos comer no Kikilo's, pois as duas odeiam cozinhar, embora cozinhem e muito bem, oh mulheres maravilhas essas, hehehe).

Subi, de novo, e decidir tomar um vinho e fumar mais um cigarro. Botei a roupa para "bater", hehehe, como diz o povo daqui, dei um jeito na cozinha, botei creme e óleo nos cabelos para dominá-los - até porque já estavam rebeldes, em menos de 15 minutos de ar fresco, hehe - entre outras cositas mas... bom, desci, de novo, e fomos conferir como foi a carreata da coligagação PSB/PTB (pah acabar isso hein, hehehe) - Por Uma Nova Santa Catarina. O cara tem discurso e afinado, já os deputados... Na volta parei, em tempo, de comer na Heid. Nossa, a Ana(conda) ficou saciada. Essa foi a terceira comilança do dia.

E, como estou fazendo a campanha pró-segunda. Parei no salão de beleza daqui de baixo e fiz as unhas: pintei-as de vermelho. Agora só resta esperar mais 36 horas para pô-las em ação. Então, antes das unhas, naveguei um pouco e foi então que decidi fazer esse relato.

Na volta da pauta dodia fiquei sabendo que teria outra à noite. Semana do Excepcional na Igreja Luterana do Brasil. Sim, a nêga assistiu o culto, pegou depoimento do pastor, do presidente e da diretora da APAE, além de um aluno. Como n sou filha de pai bobo, fiquei para o lanche no final da cerimônia. Tinha pastel, cuca, cueca virada, refrigerante e outras cositas mas, novamente, hehehe.

E cá estou eu, feliz da vida, depois de um sábado de trabalho, vadiagem e de beleza, e ainda mais leve depois da palavra de Deus.

Amém!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe