Pular para o conteúdo principal

Meu sábado

Bom, tenho que fazer dois trabalhos, atrasados, da pós. Um sobre responsabilidade social e outro sobre comunicação interna. Mas, para adiar mais um pouco nada melhor do que vadiar na internet, como estar aqui com vcs, MSN, email, e notícias inúteis, do tipo, "como manter o bronzeado no inverno (como se precisasse disso, hehehe). Enfim, qualquer motivo é motivo para me distrair da minha futura vida profissional de especialista em comunicação empresarial. Portanto, vou agora contar como foi meu sábado (isso é realmente muiiiiito importante, hehehe).

Pois bem, acordei às 00:46, faminta!!!! Esse é o mal de quem não janta por que a fome abandona o corpo ou a preguiça. O que a gorda fez? Levantou, com um olho aberto e outro fechado, pensou em se vestir para ir até o Big Pastel fazer um lanchinho básico, mas a mente a levou somente até o armário da cozinha para comer torradas com requeijão. Depois de se empanturrar com esta comidinha, pegou dois quadradinhos de chocolate, enfiou na boca e voltou para a cama, ainda os mastigando, e voltou a dormir.

A segunda acordada foi às 6h30. Como ninguém merece levantar tão cedo no sábado, depois de uma semana de labuta, fechei os olhinhos para acordar cerca de uma hora depois. Liguei a tevê (sim, eu dormi na cama da Silvitcha, pois queria ver a novela Páginas da Vida, mas n consegui sintonizar a emissora, então coloquei na Band) e o que vejo? Um pastor dizendo qq coisa que me fez desligar a tevê correndo e cair no sono profundo até às 10h e pouquinho. Aí sim, fiquei contente e levantei. Até porque o Big Boss iria passar às 11h45 para me pegar e levar-me numa pautinha política.

Então levantei, fui para cozinha para a segunda comilança do dia, já que o almoço seria chalalá demagogo, fui para a sacada me distrair e fumar o cigarrinho matutino, depois fui tomar banho, já atrasada. Foi quando ouvi o celular tocar e pensei, "o velho está descendo". Então liguei, já lá embaixo, qdo ele me disse que iria demorar um pouco, talvez às 13 horas. foi pah acabar, pensei, de novo: vou perder o almoço da Heid, hehehe (aos sábados eu e a silvitcha vamos comer no Kikilo's, pois as duas odeiam cozinhar, embora cozinhem e muito bem, oh mulheres maravilhas essas, hehehe).

Subi, de novo, e decidir tomar um vinho e fumar mais um cigarro. Botei a roupa para "bater", hehehe, como diz o povo daqui, dei um jeito na cozinha, botei creme e óleo nos cabelos para dominá-los - até porque já estavam rebeldes, em menos de 15 minutos de ar fresco, hehe - entre outras cositas mas... bom, desci, de novo, e fomos conferir como foi a carreata da coligagação PSB/PTB (pah acabar isso hein, hehehe) - Por Uma Nova Santa Catarina. O cara tem discurso e afinado, já os deputados... Na volta parei, em tempo, de comer na Heid. Nossa, a Ana(conda) ficou saciada. Essa foi a terceira comilança do dia.

E, como estou fazendo a campanha pró-segunda. Parei no salão de beleza daqui de baixo e fiz as unhas: pintei-as de vermelho. Agora só resta esperar mais 36 horas para pô-las em ação. Então, antes das unhas, naveguei um pouco e foi então que decidi fazer esse relato.

Na volta da pauta dodia fiquei sabendo que teria outra à noite. Semana do Excepcional na Igreja Luterana do Brasil. Sim, a nêga assistiu o culto, pegou depoimento do pastor, do presidente e da diretora da APAE, além de um aluno. Como n sou filha de pai bobo, fiquei para o lanche no final da cerimônia. Tinha pastel, cuca, cueca virada, refrigerante e outras cositas mas, novamente, hehehe.

E cá estou eu, feliz da vida, depois de um sábado de trabalho, vadiagem e de beleza, e ainda mais leve depois da palavra de Deus.

Amém!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Uma pegada forte e 15 dias

Faz tempo que não escrevo sobre sexo. Talvez por que venho praticando pouco. Ou a qualidade tenha decaído. Creio que é isso. Tem muito cara se achando por aí. E não tem idade. É jovem, maduro ou... vividos.
Não me lembro de ter transado com um cara jovem que não fosse afoito. Imagino que pensam que basta meter, forte, que a mulher afrouxa a musculatura e goza. Sei não...
Já os maduros apostam na experiência para agradar sua parceira. E expressam isso. Eu chupo, eu pego, eu belisco... Na hora da cama, eles não sabem nem tocar uma mulher com volúpia. Quem dirá cumprir todas as falsas afirmações. E pior: tem homens maduros que não curtem “cunnilingus”, mas adoram uma felação. Que merda. Há machismo até no sexo. :o E tem os vividos, o sexo sênior. Desculpa aí, mas tenho pouca experiência nessa área. Ufa! Ainda bem. No entanto, se o Djavan me pedisse qualquer coisa chorando, eu faria sorrindo, ajoelhada. Ou coisa parecida. J
No meio de tudo isso tem “os caras”. Os que sacam do paranauê. E qua…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.