Pular para o conteúdo principal

De volta para casa

Adivinhem quem está de volta? Sim, meu CD, maravilhoso, do The Cramberries, o DVD “gravação alternativo” da Alcione, o Ao Vivo 2, e minha árvore.

Fui tomar banho na casa do Krust, porque n tem água aqui no latifúndio desde domingo, sabe-se lá desde que horas. Então, aproveitei e trouxe meus pertences de volta, que com certeza n viriam se fosse depender do palhaço.

Ele já havia me dito, e eu já sabia, que o meu Cipreste não deveria estar em boas condições, pois ficou do lado de fora nas noites de geada. Ele já é desligado para muitas coisas, quem diria para cuidar de uma planta. Quando eu o vi, fiquei triste, mas com um fundo de esperança, ele tá queimado. Todo queimado. Na verdade, ele tá morto. A planta que representa meu signo, meu ser e que queria enfeitar no Natal, aqui nesta cidade. Ele seria minha primeira árvore de natal.

Ainda vou tentar revivê-lo, nem que seja a base de minhas lágrimas (que não tem sido poucas), mas, se conseguir, já ficarei feliz de te-lo verdinho, mesmo que não possa transforma-lo em pinheiro por 30 dias. Que isso sirva de lição para mim, para que possa carregar, sempre, todas as coisas que me sejam caras, aonde quer que eu vá. Só a gente sabe dar valor àquilo que nos é importante. Mesmo que seja uma simples planta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe