Pular para o conteúdo principal

Pandora 3

Meu Vício é Você

Ontem estava ouvindo a Marrom. Nada mais romântico e realista, acreditem, é contraditório mas possível, do que ouvir aquela voz rouca falar de coisas de amor. Amor desencontrado, encontrado, paixão, tesão, traição, desejo. Alcione é a “mulher ideal” quanto se trata de interpretar esses sentimentos. Ela sabe o que faz.
Não conheço sua trajetória amorosa, mas suas músicas se encaixam em mim como se fossemos a mesma pessoa. Engraçado, não chorei com ela. Minha vida amorosa estava na boca dela, em muitas canções, gritada no último volume da caixa de som do meu computador. Ouvi, cantei, analisei, comparei, sorri e xinguei. Muiiiito. Filho da puta!!!! Mas não chorei.
Escuto o CD duplo Ao Vivo. Uma delícia para os sensíveis, para os sambistas, para os românticos e nada triste para os desenganados. Recomendo. E olha que disso eu entendo, hehehe. Dele, do primeiro, selecionei três músicas, de todas que adoro e que por muito tempo ouvi seguidamente. Agora ouço exatamente Nem Morta. Nem morta que eu não vou te deixar! Para essa parte apresento minha versão. Contradigo a Marrom e ressalto pra mim mesma. Vou te deixar sim. É isso que vai me salvar, é nisso que acredito (bom, com essa são quatro músicas).
Tua ausência me faz bem. Pude comprovar isso nesse final de semana. Não te vi, não fiquei pensando o que estava fazendo, com quem estava fazendo. Não pensei, nem fiquei imaginando a atenção que dispensava para outras, os carinhos que concedia àquela outra, os desejos infantis realizados, teus desejos infantis realizados.
Às vezes fico pensando - o que me faz agradecer aos meus pais sempre - e reafirmando a infância feliz que tive. As brincadeiras que fiz, os poucos brinquedos que tive e os muitos amigos que tinha fizeram com que não precisasse brincar agora, joguinhos de adultos, com ares e a irresponsabilidade de crianças. Meu playground foi a pracinha ao lado do colégio, e bastou. Não uso ninguém, não engano, não trapaceio. O tempo das brincadeiras sem conseqüências já era para mim, fiz o que tinha que fazer quando criança. Agora sou gente grande. Queria poder estar gostando de um homem e não de um menino travesso.

Além da Cama
De Michael Sullivan e Carlos Colla

De amor eu não morro, o que eu posso é chorar de saudade
Mas depois vou tentar refazer minha felicidade
Entreguei minha vida a você e você jogou fora
Fez de mim o que quis, me usou, e depois foi embora
Deixa o tempo passar, você vai perceber
Que fazendo o que fez, só jogou pra perder
Vai lembrar dos momentos que a gente viveu
Que ninguém te amou como eu

Eu te quero além da cama
Eu te amo de verdade
É o lado mais puro, mais angelical
É o cheiro, é a pele, é o lado animal

Eu te quero além da cama
Eu te amo de verdade
As loucuras de amor que a gente já fez
Dava tudo de mim pra fazer outra vez

E aí pode ser que o meu mundo não tenha mudado
Mas também pode ser que outro alguém já esteja ao meu lado
Me dizendo as palavras de amor que você me dizia
Desfrutando de todos os sonhos que eu te oferecia
Ocupando o espaço que você deixou
Aceitando a paixão que você renegou
Eu ainda te amo, eu te quero demais
Meu amor, veja bem o que faz
Eu te quero além da cama
Eu te amo de verdade
É o lado mais puro, mais angelical
É o cheiro, é a pele, é o lado animal

Eu te quero além da cama
Eu te amo de verdade
As loucuras de amor que a gente já fez
Dava tudo de mim pra fazer outra vez

A Loba
Meu Vício é Você
Nem Morta

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe