Pular para o conteúdo principal

Pandora 2

Tira o teu piercing do caminho, que eu quero passar com a minha dor 2

Agora que a caixinha de Pandora foi aberta, não consigo mais fechar. Portanto, peguem os lencinhos de papel, vão precisar.

O Alexandre, meu amigo, me chama de Drama Qüeen. Ele não lê blogs, acha chato. Mas vocês que gostam, vão ter exemplos claro do que é ser dramática.

Quem me “conhece” vai aprender a conhecer de vez, de verdade, quem é a pessoa simpática que sempre tem um sorriso no rosto ou uma palavra amiga. Agora, não me digam para voltar a sorrir, o que eu preciso é de um pouco de atenção de vocês, do ombro para chorar minhas lágrimas da amor, de ouvidos para agüentar minhas lamúrias.

Desculpe mes cherris, mais uma vez engano vocês. Nada de contos e crônicas por um bom tempo. Só isso, relatos do que vai dentro de mim, coisas do meu ser, sobre esse sentimento que consegue ser mais possessivo do que eu. Arraigado já. Mas é que estou sozinha nessa cidade aqui e além dos seres astrais, só meu computador meu entende, porque minhas músicas me traem a casa nota musical, a cada entonação e em todos os refrões.

Por um bom tempo, não quero saber das dores do mundo. A minha já é suficientemente grande e tá arrasando com a minha vida para eu me importar com o crescimento demográfico, o desmatamento da Amazônia, a fome no Afeganistão, a corrupção nacional, os desastres naturais ou a guerra na Chechênia. Preciso me voltar para o meu umbigo.

Para amenizar um pouco, ou não, postarei junto os poemas e as músicas as quais fiz citações no texto. Afinal, teu nome não é Querubim. Ou é?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.