Pular para o conteúdo principal

Pandora 1

Tira o teu piercing do caminho, que eu quero passar com a minha dor

Se antes eu não escrevia meus contos ou crônicas por falta de tempo, agora não os escrevo por excesso de paixão ou amor. Ainda não sei. De uma paixão ou um amor não correspondido, de uma paixão ou de um amor doído.

Torço para que seja paixão, pois dizem que é um sentimento efêmero, passageiro, volátil, embora intenso e enlouquecido. Mas não sei não. Se fosse paixão, não seria problema para mim, que sou meio maluca e bastante intensa. Eu digo: “comigo é oito ou oitenta. Não tem meio termo”. Às vezes eu finjo que sim, na verdade, quase sempre, mas é para que no final, o resultado seja oitenta. Gosto do todo, do 100%, da integralidade. Por isso eu finjo, como o diz o poeta português, Fernando Pessoa em Autopsicografia.

O dicionário diz que Paixão é um movimento violento, impetuoso, do ser par o que ele deseja. Atração muito viva que se sente por alguma coisa. Objeto dessa afeição. Predisposição para ou contra. Arrebatamento. Cólera. Amor. Afeição muito forte. Sobre o Amor ele fala que é uma afeição viva por alguém. Semtimento apaixonado por pessoa do outro outro sexo (ou não, hehehe). Zelo, dedicação. Enfim, Amor ou Paixão, o sentimento taí. Antes latente, agora, mais que presente e exposto.

Esses conceitos de nada me adiantam. Já tentei racionalizar o que sinto, não funciona. Acho que meu corpo e meus órgãos criaram anticorpos contra esse processo, pois fui deixar me envolver nessa profusão de sentimentos justamente na fase mais eloqüente da minha vida. Bem no momento em que tudo ia afinado, menos minha vida financeira, claro, que isso nunca é sincronizado com “saldo positivo” comigo.

Pensei que tivesse controle completo de tudo dentro de mim. Sobrevivi a adolescência sem nenhum arranhão, a juventude adulta sem me ferir, mas agora, no furor dos meus 31 anos, fui assaltada. A razão se foi e não disse quando volta, a lógica já era fraca, abrindo espaço esse sentimento que se apresenta. Agora sei que não se manda no coração, não racionaliza sentimentos e nem se escolhe o candidato, melhor, não se exclui os pré-candidatos.

Sempre gostei de música, aliás, adoro músicas, amo poesia. Minha vida é uma trilha constante desde o momento em que acordo, até a hora de dormir, quando seleciono sons que embalaram meu sono e ditarão meus sonhos. Hoje, quem preenche meus pensamentos é ele, quem canta minha vida é ele, quem recita os poemas que leio é ele. Ainda resisto, porque é difícil amar sozinha, mas é inútil. Qualquer música que ouço lembra (cogita ou pré-supõe) o que poderíamos estar vivendo juntos se tivesse espaço para mim naquele peito - cuja boca dizia que o coração era grande e que cabia todo mundo. Mentira. Se não, porque eu fiquei do lado de fora?

O magnifique Nei Matogrosso canta uma versão de Até o Fim, música de Chico Buarque. “Tudo ia bem, até aquele anjo safado, o chato dum Querubim”, me flechar. É, não errrei de anjo não. No meu caso, torto, quem me flechou não foi o Cupido, se fosse, tudo estaria bem. Como foi o Querubim, ele devia estar desasado, machucado, com raiva do mundo e, quando quis se vingar, estava eu passando, passeando, trabalhando ou vadiando na rua. Devia estar com um sorriso no rosto, gesticulando agitada para acompanhar o pensamento que se faz expressar em palavras quando falo sozinha pelas ruas. Devia estar gargalhando de alguma bobagem minha ou de alguma piada sem graça que algum “palhaço do Circo Vostok”, ou seja, pessoa sem graça, tenha me contado há instantes. Ou simplesmente feliz, como era há pouco mais de um mês, todos os dias. Aí, para se vingar, do mundo, olhou para mim.

Pô Querubim, que mira, seu filho da puta!!! Agora veja se termina o serviço e manda alguém para eu desaguar esse imenso amor, antes que eu seque de tanto chorar por ele.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Atrás da folhinha verde?

Eu já cansei desse papo de superação feminina, até no sexo. A gente tem que saber plantar bananeira, beijar a brasileira, a japonês e agora até beijo grego. Tem doido que gosta de mal tempo inclusive na cama e pede para a parceira a chuva dourada ou a chuva negra. Ai, eu gosto de uma "pimentinha", como diz o Enfil, mas essa loucura eu estou passando.

"Eu quero a sorte de um amor [sexo] tranquilo, com sabor de fruta mordida". Pronto. Nem mais, nem menos. Sou a favor de um comportamento ecologicamente correto, mas não estou na pilha de aprender a fazer a folhinha verde. Não, não!

Agora, se quiser saber mais sobre minha indignação a respeito da liberdade sexual, vá no Sexo Verbal e leia meu texto sobre o assunto. Ah! E não esqueça de opinar. Eu gosto tanto de lero, lero... Principalmente sobre sexo.