Pular para o conteúdo principal

Treze no Caixão

Mário Feijó

Soube pelo jornal da morte de Edmílson. Minha reação foi como a de qualquer pessoa normal diante da notícia da morte de um amigo: não quis acreditar, achei que era algum engano, que tinha lido errado. Não. Era verdade, era ele mesmo, assassinado com quatro tiros, todos nas costas. Assassinado por um covarde qualquer.

Uma raiva enorme começou a me queimar por dentro, um maldito sentimento de impotência, de fracasso, de perda. Mataram meu amigo. No momento em que tudo estava mudando para ele, mudando para melhor. Tinha saído do anonimato, assinado um bom contrato, estava morando num lugar decente e três dos seus quatro sonhos estavam se concretizando: vestir a camisa 13 do Fluminense, ter um carro zero com motor 2.0 e pegar muita mulher boazuda e gostosa para foder adoidado. O quarto e último sonho continuava distante, mas não impossível — não mesmo, porque ele era muito bom: ser convocado para a Seleçâo Brasileira.

Morrer aos 24 anos é muita sacanagem. Morrer com quatro tiros nas costas quando você começa a conquistar o mundo é sacanagem demais. E ainda por cima o cretino que fechou a primeira página do jornal não teve um pingo de respeito, escreveu: "Quiabo virou presunto — Ex-camisa 13 do Olaria é assassinado."

Edmílson tinha assinado com o Fluminense, porra. E fazer piada com o apelido de alguém numa hora dessas só pode ser falta de caráter. Foi o Luís Paulo, está na cara que foi aquele babaca. Assim que chegar na redaçâo, vou passar essa história a limpo. Meto a porrada no Luís Paulo se isso for coisa dele. Respeito é o mínimo que um ser humano merece, ainda mais um craque de futebol.

Quatro tiros nas costas. Não é possível.

E que porcaria de repórter sou eu! Fico sabendo das coisas pelo jornal que o entregador deixa na minha porta todo dia pela manhã. O telefone deveria tocar de madrugada, e alguém deveria me avisar do que aconteceu em primeira mão, enquanto a notícia ainda é furo. Mas não! Está certo que meu negócio é cobertura esportiva, investigação para mim é descobrir a escalação do time antes do jogo, mas, mesmo assim...

Quatro tiros nas costas. Sem vestígios de latrocínio. Edmílson não merecia isso, nenhum filho de Deus merece. Quem o matou? Por quê? Edmílson tinha tara por mulher casada, deve ter sido algum marido traído. E a única explicação. Ou então ele voltou a pegar dinheiro com agiota. Droga não foi, não pode ter sido. Tem cheiro de mulher nessa história. Quatro buracos nas costas. Tenho de saber. Se a polícia não descobrir, descubro eu.

_____________________________
Esse texto faz parte do primeiro capítulo do livro de Mário Feijó, " 13 no Caixão". Comecei ontem (domingo - 5) e fiz força para não terminar ontem mesmo. Ele é curtinho, tem pouco menos que 150 páginas, portanto, tenho que fazer render mesmoooo...

O problema é que ele vai para a página literária do jornal (o que significa que não posso me bestiar tanto assim, tenho que ler logo, mas saboreando bem devagarzinho). Vou fazer a crítica, hehehe. E não adianta pedir, não vou dar o endereço eletrônico para vocês.

Ah! Leiam. Já deu para perceber que o livro é muito bom. Romance policial brasileiro, pode apostar que vale a pena. Se não gostou do trecho, fazê o que...
____________________________________
Próxima postagem, mais um conto da série. Sério!!! Já tem até título: O ET de Varginha (ou de Videira). Agora só falta fazer o que disse no rodapé do outro post, Pastel de Rodoviária.

Comentários

Anônimo disse…
Ahh finalmente atualizou o blog .. e este livro parece ser muito bom mesmo, e a pessoa que te indicou deve ser muito culta e muito ligada no cenário literario, pois livros assim é bem dificil de encontrar ... beijos ...
do seu companheiro de viagens e que cortou relações com vc
Que bom que a leitura do meu blog está se tornando um "habitué" para ti, companheiro de viagem com relações rompidas, bem temporariamente. Tu tens razão cherri, quem me indicou a leitura deste livro foi uma pessoa culta e bem especial para mim. O nome dele é Luis. Já foi personagem de um dos meus contos e pode voltar a qualquer momento. Fica atento. Bjs
Anônimo disse…
Já foi tema de um conto .. qual deles ... quero le-lo ... beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe