Pular para o conteúdo principal

O retorno - curtas

Como sempre, foi só colocar os pés na rodoviária de Porto Alegre que já me deu saudades.
_____

Dessa vez a coisa foi mais difícil. Fui me despedir do meu pai, no hospital, e lá fiquei até às 19h45. Minha irmã foi me substituir. Me deu um vontade de ficar... Acho que desta vez n iria me importar de perder o ônibus... Mas n perdi.
_____

N entendo como há pessoas que conseguem dormir as mais de oito horas de viagem neste ônibus desconfortável (preenchi um formulario de reclamação/sugestão da Unesul. espero que surta efeito, afinal, utilizo os serviços da empresa a cada dois meses praticamente).
_____
pôxa, eu que sou gorda e o companheiro de viagem é que é espaçoso (um cara magro e dorminhoco... que inveja, hehehe).
_____
A parada na Vila Assis... Vou confessar pra vcs. Eu adoro pastel, como essa dilícia em qq boteco, menos no restaurante da Vila Assis aonde o ônibus pára (numa das primeiras viagens para Videira, se n a primeira, comi um pastel e achei uma mosca inteira nele, ainda bem... já pensou se fosse meia?) eu me nego a comer. O problema é que sempre dá vontade de comê-lo qdo paro lá. Mas resisto sempre

_____
Lá também tem uma nega maluca deliciosa... Daquelas fofinhas, macias, com recheio de "mumu" e cobertura com calda de chocolate. Sim, n resisti e já comi ela uma vez. E é realmente uma dilícia! Só que depois de ingerir esse elemento me veio a lembrança do pastel e nunca mais comi. Mas, qdo entro no restaurante para comprar meus produtos industrializados, olho para o balcão e vejo ela, me olhando... chamando... E saio correndo depois de passar na geladeira e pegar o suco e depois o baconzitos na prateleira.

_____
Mas desta vez foi pior. Vi uma guria, feliz da vida, se deliciando com a nega maluca e tomando uma xícara de café.

______
Então, em frente do freezer fiquei escolhendo do suco: de pêssego, meu sabor preferido. Aqueles de latinha, Valle eu acho. Mas fui conferir o preço e fiquei chocada... R$ 3,50. Devolvi. Fui ver os iogurtes. Os de duas camadas ou dois sabores (o que tem a geléia no fundo). Peguei o sabor morando (Corpus) e quando vi o preço também fiquei chocada, mais uma vez... R$ 3,50. Então olhei para o freezer do lado e vi as cervejass, hehehe. Tava sem sono, com sede, pensei: #!&%?. Peguei uma bohemia, long neck... R$ 2,50. Sai feliz do restaurante.

______
Pela vitrine fiquei vendo os bichos de pelúcias... lindos, enormes e caros. Tinha até uma joaninha porta CD.

______

Voltei para o bus com a garrafa na mão e todos os seres acordados me olharam e depois para a minha mão, para depois olharem para mim de novo... gente preconceituosa. Quando tô com suco e salgadinho ninguém dá bola.

______
Bebi a bohemia e dormi que foi uma maravilha, até uns palhaços barulhentos subirem em Erechim e outros em Concórdia. Perdi o sono e quando recuperei acordei de novo, porque o motorista foi adverter um passageiro que estava fumando escondido no banheiro. Hehehehe. E não era eu. Juro!!!

______
Nisso peguei no sono forte e só acordei em Videira com o mesmo motorista que parou o ônibus na estrada para interromper o prazer "passageiro" do fumante, bem na minha frente.
- Tu vais pra Videira?
- Sim
- Então pode descer. É aqui.
Nossa! O sono tava bem bom, acho que estava até sonhando... %#@!*&?
______

Então, peguei a bagagem e fui buscar um táxi, que n tinha é claro, só uma fila enorme a espera de vários deles. Veio um, o segundo, o terceiro... Pensei em ligar para um, aquele que foi assaltado três vezes em 20 dias. Nisso eu vejo o carro dele descendo a rua, entrando contramão na via e surgindo sob meus olhos no box dos ônibus. Chamei, mas ele estava atendendo uma chamada. Ainda bem, pois depois fiquei pensando: imagina se ele é assaltado comigo dentro do carro?!!!!
_______

Nisso volto para a frente da estação rodoviária a procuro de um novo condutor, quando passa um bus escolar e bem feliz estava a Cris me acenando. Fico imaginando: que bom que tem pessoas que conseguem acordar cedo e já sair sorrindo... eu n consigo isso. e tb n entendo como alguns seres humanos conseguem. sou educada pela manhã, mas lenta, polida e sem paciência. tá, sou mal humorada, pronto. enfim, retribuiu o aceno e o sorriso, mesmo sendo quase 7 horas da manhã, sem táxi,sem cigarros a mão e querendo matar um.
______

Pior que gente bem humorada é gente que gosta de conversar pela manhã. e mais uma vez tive que exercer minha educação matutina e falar sobre o tempo... putz! odeio gente sem imaginação. pior que gosto do seu Nilso, o taxista. o polpei do meu mal humor. mas só desta vez.
_______

Pra finalizar quebrei a rodinha da mala de comida ao subir as escadas... agora ela ficou perneta. Mas nada melhor do que o bom e velho chimarrão na sacada, cigarrinho na mão e com a vista da cidade sob meus olhos. Então, tudo está como antes. Bem

Comentários

Barbara disse…
trocar um iogurte por uma cerveja.. só podia ser vc mesmo nenê! me divirto lendo teu blog e me sinto mais próxima da tua pessoa humana. bjkas minhas e do capitão rodrigo - que já com 5 kg!

Postagens mais visitadas deste blog

Se o queijo mofou está estragado [1]

Errado! E só soube disso uma semana depois de ter posto aproximadamente um quilo de queijo colonial no lixo, cheia de dó no pensamento, no estômago e principalmente nos olhos. Logo eu, que sou como avestruz e como até pedra com pimenta do reino moída na hora [se não for assim eu não gosto].

O fato aconteceu logo que vim de casa, após comemorar meu aniversário com minha família e amigos do peito [Jana, sua jararaca, não se inclua nesse núcleo]. Na bagagem sempre trago vários mimos e a cesta básica patrocinada pelo Araújo. Mas, dessa vez, tinha algo a mais: duas metades de queijo redondo, de diferentes sabores, no estilo colonial.

Depois de uma semana degustando o melhor deles, aquele mais branquinho e molinho, levemente salgado - diria que quase um polenguinho - decidi saborear o outro, mais amarelinho, sequinho e oleoso, com doce de leite. Dez dias a base de queijo e salame e enjoei. Sob orientação da minha mãe, deixei os queijos num pote bem ventilado, a sombra.

Mas a umidade no Flat fo…

Sóis

Sexta-feira de manhã. Não precisei abrir o aplicativo que controla meu ciclo menstrual para saber que estava de TPM. O mau humor era latente e já o percebia insuportável até para mim. E chovia. Muito. Dia perfeito para ficar em casa, hibernando, como costumo definir dias e este estado de espírito. Mas não. Tinha que encontrar um amigo-cliente, que ontem estava sem comunicação via smartphone. Não havia escapatória. Teria que ir.
Fechava assim meu período de pré-aniversário, antecipadamente. Não suportaria mais uma semana. Teria eu mesmo que dar o start em novas energias e começar Setembro com os dois pés direitos.
E hoje, no primeiro dia do mês, ainda cinza e molhado por aqui no Sul do país, um novo sol surgia. Mesmo que ainda de TPM, a virada do mês sopra em mim mudanças. Novos tempos. Renovação.
Fiz a mesma coisa que nos últimos sábados do calendário letivo. Acordei, peguei a mochila gasta e sai respirando o ar úmido e cheio de partículas de vida e possibilidades dentro de mim. E quand…

Nos phones: Todo homem

O sol Manhã de flor e sal E areia no batom Farol Saudades no varal Vermelho, azul, marrom Eu sou Cordão umbilical Pra mim nunca tá bom E o sol Queimando o meu jornal Minha voz, minha luz, meu som

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe

O céu Espuma de maça Barriga, dois irmãos O meu Cabelo, negra lã Nariz e rosto e mãos O mel A prata, o ouro e a rã Cabeça e coração E o céu Se abre de manhã Em abrigo, em colo, em chão

Todo homem precisa de uma mãe
Todo homem precisa de uma mãe